ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 19º

Interior

Reitora temporária aponta “ambiente hostil” para cancelar reunião

Foi a segunda tentativa fracassada de Mirlene Damázio em fazer reunião do Conselho Universitário da UFGD em duas semanas

Helio de Freitas, de Dourados | 04/10/2019 16:02
Estudantes e servidores da UFGD do lado de fora da sala onde ocorria a reunião, hoje cedo (Foto: Direto das Ruas)
Estudantes e servidores da UFGD do lado de fora da sala onde ocorria a reunião, hoje cedo (Foto: Direto das Ruas)

A reitora temporária da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) Mirlene Damázio disse que a reunião do Couni (Conselho Universitário), na manhã desta sexta-feira (4), foi cancelada devido ao “ambiente hostil, instável e desrespeitoso” no local da sessão.

Foi a segunda tentativa fracassada de Mirlene Damázio em reunir o Couni, formado por 43 representantes da comunidade acadêmica e da comunidade não universitária. Presidido pela reitora, é o conselho que decide sobre os principais assuntos internos da instituição.

No dia 26 de setembro, a reitoria convocou a Polícia Federal, a Polícia Militar e a Guarda Municipal para acompanhar a reunião. A presença de homens fardados e armados até com escopeta calibre 12 causou revolta de servidores e universitários.

Diante dos protestos, Mirlene não foi até o local da reunião, que acabou transferida da sala dos conselhos para o anfiteatro, onde sempre ocorre. A reunião foi conduzida mesmo sem a presença dela, mas na semana passada, a reitora cancelou a sessão e marcou para hoje.

Na manhã desta sexta, Mirlene Damázio chegou a abrir a reunião na sala de conselhos, sob protesto dos estudantes, que queriam a sessão no anfiteatro, onde cabem mais pessoas. A reitora negou o pedido e em seguida encerrou a reunião. À tarde, ela divulgou “nota de esclarecimento”.

“Na segunda conferência, às 8h30, foi constatado quórum e deu-se início a 97ª reunião do Couni, porém em lugar de ordenamento de procedimentos, respeito, urbanidade e organização, ocorreram fatos que impediram, novamente, a continuidade dos trabalhos”, afirma a nota.

Mirlene Damázio continua: “houve ocupação de pessoas não relacionadas como conselheiros, que, com ofensas verbais, provocaram ambiente hostil, instável e desrespeitoso, impossibilitando o andamento da reunião”.

A reitora temporária encerra a nota afirmando que, pela segunda vez como ocorreu no dia 26 de setembro, deliberou pelo cancelamento da reunião e transferência para data ainda não definida.

Conselheiros – Os membros do Couni presentes à sessão também divulgaram nota nesta sexta-feira criticando a escolha da “sala pequena” para a reunião e, mais uma vez, chamando Mirlene de “interventora”. Ela foi nomeada em junho pelo Ministério da Educação, que ignorou a lista tríplice elaborada após eleição interna, em março.

“Antes do início da reunião fora instruída pela administração interventora uma pessoa para ficar na porta de entrada para monitorar e inviabilizar a entrada de membros da comunidade, o que fere previsão regimental do próprio Conselho”, afirma a nota dos conselheiros.

Eles acusam Mirlene de infringir o regimento do Couni ao se negar a colocar em votação a proposta mudança da reunião para o auditório “de modo a que o debate pudesse comportar todos os presentes”.

“Unilateralmente encerrou a reunião na primeira manifestação dos conselheiros, sem votação direta e nominal, enterrando definitivamente os procedimentos democráticos na UFGD”, afirma a nota.

Para os conselheiros, “ao cancelar ilegalmente a reconvocada e já realizada 97ª reunião do Conselho Universitário”, Mirlene Damázio prolonga a crise institucional e “atenta contra o bom andamento da Universidade”.

Eles encerram a nota criticando a permanência de Mirlene Damázio no cargo. “O prejuízo imposto à UFGD e à comunidade pela manutenção da intervenção do Ministério da Educação na reitoria dessa universidade, quando já se tem uma lista tríplice hígida e válida, é grave, irresponsável e projetada com o claro propósito de sucatear e atacar o bom andamento da produção pedagógica, acadêmica e extensionista da instituição”, afirmam os conselheiros.

Nos siga no Google Notícias