A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

12/05/2016 12:48

Rodovia onde asfalto “derrete” custou R$ 123 mi e foi feita por 2 empresas

Aline dos Santos
O estado da rodovia MS-180  faz contraste com o gasto milionário da obra. (Foto: Direto das Ruas)O estado da rodovia MS-180 faz contraste com o gasto milionário da obra. (Foto: Direto das Ruas)

Com cenário atual de placas de asfalto desabadas em meio à lama, a MS-180 custou R$ 123 milhões e liga Juti a Iguatemi. Nos 98,4 quilômetros da rodovia, a maior parte do pavimento está “derretendo” e terá que ser refeito.

O estado da rodovia faz contraste com o gasto milionário e com as aspirações de quem mora no entorno. Moradores fizeram campanha desde 2007 para que a ligação entre as cidades fosse pavimentada.

De acordo com a assessoria de imprensa da Seinfra (Secretaria Estadual de Infraestrutura), a obra teve custo total de R$ 123.562.529,22 e somente o lote 3, executado na atual administração estadual, não sofreu avarias.

Conforme consulta ao Diário Oficial do Estado e da União, a licitação para pavimentação da rodovia foi lançada em primeiro de março de 2013. A obra foi dividida em quatro lotes. O primeiro, com extensão de 27 km, foi assumido pela DM Construtora de Obras Ltda. O valor inicial era de R$ 33 milhões. O lote 2, com extensão de 26,7 km, teve valor de R$ 32 milhões. A DM Construtora também venceu essa licitação.

Já os lotes 3 e 4 tiveram como vencedora a Construtora Central do Brasil Ltda. O lote 3, com 22 km de extensão, teve custo inicial de R$ 28 milhões. O lote 4 também tinha 22 km de extensão, mas valor de R$ 24 milhões. Os resultados da licitação dos lotes 1 e 2 foram publicadas em maio de 2013. Já os resultados dos lotes 3 e 4 foram divulgados em junho daquele ano.

Conforme o titular da Seinfra, Ednei Marcelo Miglioli, a obra quem nem chegou a ser inaugurada sofreu com uma somatória de cinco fatores: projeto, execução, excesso de chuva, desvio do tráfego da BR-163 e curvas de nível, feitas em fazendas, que direciona a enxurrada para a rodovia. “Somatória de problemas que levou ao caos”, afirmou em entrevista ontem.

Segundo ele, será contratado um projeto executivo para complementar o que não foi contemplado na execução, principalmente obras de drenagem. O governo do Estado também vai contratar uma auditoria para analisar responsabilidade da projetista e das empresas executoras.

Para evitar acidentes, o secretário informa que rodovia foi sinalizada na quarta-feira (dia 11) e os municípios da região terão prorrogados a situação de emergência.

A situação precária da rodovia afeta a economia das cidades. “A MS-180 é vital para os moradores de Iguatemi e é uma espinha dorsal que divide o município, sendo que dois assentamentos marcam a rodovia, que são o Auxiliadora e Rancho Loma, com 459 famílias ao todo. Sem a rodovia, não teremos mais dinamismo e nem rapidez”, afirma o prefeito de Iguatemi, José Roberto Felippe Arcoverde (sem partido).



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions