A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Junho de 2017

08/07/2015 21:01

Terceira fase da Operação Bumerangue cumpre cinco mandados

Helio de Freitas, de Dourados
Buscas foram feitas em empresas na cidade da fronteira; empresário suspeito de ligação no esquema foi ouvido em Dourados Delegados da PF durante entrevista coletiva em Dourados para falar sobre Operação Bumerangue (Foto: Rafael Henrique/Diário MS) Buscas foram feitas em empresas na cidade da fronteira; empresário suspeito de ligação no esquema foi ouvido em Dourados Delegados da PF durante entrevista coletiva em Dourados para falar sobre Operação Bumerangue (Foto: Rafael Henrique/Diário MS)

Na terceira fase da Operação Bumerangue, a Polícia Federal cumpriu nesta quarta-feira (8) quatro mandados de busca e apreensão de documentos em empresas de Ponta Porã, a 323 km de Campo Grande. Um engenheiro suspeito de ligação com o esquema, desvendado em fevereiro deste ano, foi procurado na cidade da fronteira para prestar depoimento. Ao saber da operação, ele procurou a delegacia da PF em Dourados, na tarde de hoje, e foi ouvido. Delegados que conduzem as investigações concederam uma entrevista coletiva hoje à tarde em Dourados para falar dessa terceira fase.

Segundo o delegado Denis Colares de Araújo, os mandados cumpridos nesta quarta foram expedidos pela Justiça Federal a pedido do MPF (Ministério Público Federal). Dessa vez não houve pedido de prisão. Segundo a PF, chega a R$ 900 milhões o prejuízo causado ao cofre público pela quadrilha acusada de fraudar o fisco federal, com transações comerciais feitas em Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e São Paulo.

Pelo menos 40 pessoas já foram indiciadas, entre elas alguns funcionários da Receita Federal do Brasil. O engenheiro ouvido hoje é suspeito de ligação com outros acusados no esquema. Conforme o delegado da PF, embora o inquérito principal não tenha sido concluído, o MPF já denunciou algumas pessoas e já existe uma ação penal em andamento. O esquema - A operação desvendou um esquema de fornecimento de produtos siderúrgicos de origem nacional, exportados para outros países apenas no papel e que retornavam ao Brasil sem o recolhimento de impostos, pois as notas eram canceladas.

As entregas eram feitas em São Paulo e no Paraná, sem passar por Mato Grosso do Sul, conforme a PF. O inquérito está sendo conduzido pela PF em Dourados. Os suspeitos são acusados de formação de quadrilha, falsidade ideológica, descaminho, corrupção ativa e passiva e evasão de divisas.

Briga em partida de sinuca acaba com um homem esfaqueado
Homem de 35 anos foi esfaqueado após se envolver em uma briga durante um jogo de sinuca, na noite de sábado (24), por volta das 19h, em um bar locali...
Ladrões roubam carreta e obrigam caminhoneiro a dormir em matagal
Um caminhoneiro de 41 anos teve a carreta roubada na noite de sábado (24) na BR-163 em Rio Verde de Mato Grosso, a 207 km de Campo Grande. Segundo o ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions