ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 22º

Interior

“Tinha esperança”, diz mãe de criança que morreu após ser espancada e queimada

Durante o tempo de internação, a menina passou sedada, chegou a apresentar melhoras, mas depois foi piorando

Por Viviane Oliveira | 11/02/2024 14:47
Cemitério Municipal de Aquidauana, onde a criança foi sepultada nesta manhã (Foto: reprodução / Google)
Cemitério Municipal de Aquidauana, onde a criança foi sepultada nesta manhã (Foto: reprodução / Google)

A mãe da menina de 11 anos, que morreu na Santa Casa de Campo Grande na manhã de ontem (10), vítima de espancamento e incêndio criminoso no dia 8 de dezembro do ano passado, sabia da gravidade do quadro de saúde da filha, mas acreditava na recuperação dela. “A gente tinha esperança”, disse a mulher por telefone à reportagem.

Apontado como autor do crime, ex-namorado da mãe, Lucas Cáceres Kempener, de 24 anos, morreu em troca de tiros com a polícia, em 24 de janeiro, após reagir a uma abordagem.

Segundo a mãe, durante o tempo de internação, a menina passou sedada, chegou a apresentar melhoras, mas depois foi piorando e ainda contraiu infecção hospitalar, o que piorou o quadro de saúde da paciente. A criança ainda teve um dos braços, parte da perna direita e dedos da mão esquerda amputados. “O hospital já vinha comunicando a gente que o caso dela era grave”, contou. O velório e sepultamento foi em Aquidauana, onde os familiares moram.

Também vítima do homem, a irmã mais nova, de 5 anos, ficou vários dias internada, mas recebeu alta e se recupera em casa. “Ela ainda faz acompanhamento com a equipe médica, mas está bem”, afirmou a mãe.

Mãe toma sorvete com filhas em tarde feliz (Foto: Arquivo de família)
Mãe toma sorvete com filhas em tarde feliz (Foto: Arquivo de família)

Personalidade doentia - O incêndio aconteceu na madrugada de uma sexta-feira, 8 de dezembro, na Rua General Pinho, no Bairro São Bento, em Sidrolândia. Segundo a mãe das meninas, ela saiu para o trabalho na quinta-feira (7), por volta das 23h, horário que começava o expediente em unidade de indústria de alimentos, e deixou as crianças em casa, assistindo televisão, foi quando aconteceu a tragédia. O agressor pulou o muro, agrediu as meninas e ateou fogo na casa.

A delegada Bárbara Fachetti Ribeiro, da delegacia de Polícia Civil de Sidrolândia, responsável por investigar o incêndio criminoso, disse que Lucas Cáceres tinha personalidade extremamente doentia, ciumenta e controladora. O laudo comprovou que os dois focos de incêndio estavam justamente onde se encontravam as vítimas, na sala e no quarto.

(*) Os nomes das vítimas foram omitidos para garantir a preservação da identidade da sobrevivente, conforme prevê o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias