ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 27º

Cidades

Juiz autorizou gravar visita íntima de presos italianos

Redação | 22/06/2010 16:18

Documentos aos quais o Campo Grande News teve acesso atestam que, a pedido da Procuradoria da República da Itália, foram autorizadas gravações de todas as visitas, inclusive as íntimas, a dois presos italianos na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Campo Grande, em 2007.

Com isso, se confirma a denúncia feita há um ano, inicialmente por agentes penitenciários federais, e depois pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que reclama do descumprimento de leis de proteção aos direitos dos presos e, principalmente, das prerrogativas constitucionais dos advogados, em relação à privacidade nas conversas com os clientes.

As gravações - revelam os documentos - foram autorizadas pelo juiz Odilon de Oliveira, em despacho do dia 20 de novembro de 2007. A ordem envolvia os italianos Ammirabile Giuseppe e Borelli Salvatore.

Eles foram transferidos para o presídio federal em julho de 2007, após serem presos no Rio Grande do Norte, acusados de fazer parte de uma rede internacional de tráfico de mulheres.Conforme o despacho do magistrado, eram alvo de investigação sobre o narcotráfico na Itália.

Em entrevista hoje de manhã ao Campo Grande News , o magistrado disse que autorizou gravações a pedido de outro país, sem revelar que se tratava da Itália, justificando o respeito a um tratado internacional. Porém, negou que houvesse autorização para gravar visitas íntimas.

O despacho dele a respeito, porém, fala claramente em "monitoramento, englobando todas as visitas, inclusive íntimas". Determina que seja operacionalizado pelo setor da própria penitenciária federal. A decisão esclarece que as gravações nas visitas íntimas não incluem imagens.

A orientação dada à época é que os registros fossem enviados ao magistrado, já com as degravações. "Daqui, o juízo as encaminhará a quem de direito", diz o juiz. O prazo de monitoramento autorizado foi de 30 dias.

Na decisão, Odilon explica que já havia um pedido anterior no mesmo sentido, só que da DRE (Delegacia de Repressão a Entorpecentes) da Polícia Federal, que também havia sido autorizado. A diferença é que não incluía visitas íntimas, nem explicitava que a execução das escutas deveria ser feita pelo próprio presídio.

Imbróglio - A confirmação em documentos das denúncias que começaram em 2008 é um novo ingrediente na polêmica, surgida após agentes penitenciários federais apontarem a existência de equipamentos para gravações nas celas do presídio federal.

Os documentos a que o Campo Grande News teve acesso comprovam que o presídio - inaugurado no fim de 2006 e ocupado por detentos considerados altamente perigosos a partir de 2007 - foi projetado já com o sistema de câmeras.

Após as denúncias dos agentes penitenciários, a OAB em Mato Grosso do Sul pediu providências a diversos órgãos da área jurídica, entre eles o Conselho Nacional de Justiça, o Conselho Nacional do Ministério Público Federal e o Ministério da Justiça.

O Ministério da Justiça, em correspondência à OAB, admitiu a existência do sistema de gravação, mas nega que elas captem imagens e diz que são usadas apenas com autorização expressa da justiça.

Nos siga no Google Notícias