A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

20/03/2013 18:58

Juiz manda universidade devolver 90% do valor pago pela matrícula

Gabriel Neris

A UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) foi condenada a devolver 90% do valor pago por acadêmicos que efetuaram matrícula, mas desistiram antes do início das aulas. A sentença é do juiz titular da Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, Amaury da Silva Kuklinski.

De acordo com o MPE (Ministério Público Estadual), ao ser aprovado no vestibular da universidade, o aluno precisa efetuar o pagamento da primeira mensalidade, com assinatura de contrato padrão. Em caso de desistência somente 50% do valor pago é devolvido se for solicitado antes do início das aulas. O MPE, que ingressou com a ação, aponta que a irregularidade acontece também com as rematrículas.

A UCDB contesta e alega que o contrato de prestação de serviço é aderido livremente no ato da assinatura. A universidade também sustenta que o valor correspondente ao reembolso equivale a menos de 10% do valor do contrato que corresponde a seis parcelas.

“A prática de reter o pagamento integral, ou metade do pagamento, como também ocorre no caso dos alunos matriculados naquela instituição de ensino, é efetivamente abusiva por caracterizar exigência de vantagem manifestamente excessiva, frente ao Código de Defesa do Consumidor”, afirmou o juiz.

Kuklinski também disse que o Código prevê o direito de arrependimento do consumidor. “Como no caso apresentado, em que os alunos, aprovados primeiramente num vestibular, possuem prazo para confirmar a vaga por meio de matrícula, posteriormente, são aprovados em outro vestibular e por este optam. Como se vê, não há livre manifestação da vontade; há sim, pressão psicológica de perda da vaga a influenciar no ato da matrícula, feita mediante o pagamento da parcela inicial do contrato”.

O juiz classifica a conduta como abusiva e cita que a própria instituição alterou a cláusula que estabelecia a devolução de apenas 50% do valor da matrícula e atualmente restitui 90% do valor pago da parcela inicial.

Kuklinski também entende que é permitida a retenção de 10% a título de taxa administrativa dos alunos desistentes, já que a universidade “efetuou o processamento de matrículas, ajustes de turmas e demais prestações inerentes ao início da semestralidade para disponibilizar aos alunos matriculados dos serviços educacionais, antes do início das aulas”.

A assessoria de imprensa da UCDB informou que a universidade ainda não foi notificada da decisão, mas como se trata de primeira instância recorrerá da decisão.

Mega-Sena acumula e prêmio no sábado pode chegar a R$ 39 milhões
A Mega-Sena mais uma vez ficou sem vencer na noite desta quarta-feira (13) e, assim, acumulou. O prêmio pode subir para R$ 39 milhões no sorteio do p...
Chuva intensa de meteoros terá pico na madrugada de quinta-feira
A chuva de meteoros Geminídeos – uma das mais intensas e brilhantes do ano – vai ocorrer durante a noite de hoje (13) e a madrugada de amanhã (14) e ...
STF tem maioria a favor de delação negociada pela Polícia Federal
O Supremo Tribunal Federal (STF) formou hoje (13) maioria para manter a autorização legal para que a Polícia Federal (PF) possa negociar delações pre...


Na verdade as universidades particulares fazem seus vestíbulares antes da públicas com o íntuito de "embolsar" o pagamento da matrícula e rematrícula. O correto seria o MPE e MPF criassem uma lei que as universidades particulares fizessem seus vestíbulares ápos as públicas pois o estudante não precisa pagar algo onde o mesmo poderá conseguir gratuitamente. Essa prática que ocorre hoje é ordinária,abusiva e imoral, mas para um país que a coisa mais importante para mostrar ao mundo é mulher pelada no carnaval isso é o de menos!
 
Alexandre de Souza em 20/03/2013 21:21:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions