ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, QUARTA  08    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

Locais de provas adiadas saem dia 22; em MS, 488 farão o exame

Por Elci Holsback | 17/11/2016 17:19
Invasão durou 10 dias (Foto: Divulgação/ Facebook)
Invasão durou 10 dias (Foto: Divulgação/ Facebook)

Na próxima terça-feira (22) o Inep (Instituto Nacional de Estudos Anísio Teixeira) divulgará os locais de aplicação das provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) aos 271.033 estudantes de todo o Brasil que não participaram do exame nos dias 5 e 6 de novembro devido as invasões de 405 escolas e universidades.

As provas serão aplicadas nos dias 3 e 4 de dezembro em locais diferentes dos agendados anteriormente e, segundo o Inep, os novos locais terão o padrão necessário para a aplicação das provas e não correrão o risco de serem ocupados até a realização do exame.

Em Mato Grosso do Sul, 488 estudantes tiveram a data da prova adiada para dezembro devido a invasão do campus da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) em Paranaíba - município distante 422 Km de Campo Grande. Alunos tomaram conta do local no dia 29 de outubro e após decisão judicial, deixaram o prédio no dia 10 de novembro. Este foi o único local onde houve alteração na data das provas no Estado.

De acordo com o Inep, nos dias 5 e 6 de novembro o exame foi aplicado para 5,8 milhões de candidatos. Os novos locais das provas podem ser acessados na página do estudante . As provas aplicadas em  dezembro serão diferentes daquelas apresentadas em novembro, o que, segundo o instituto, garante a idoneidade do exame. O resultado do Enem será divulgado a todos os estudantes no dia 19 de dezembro.

As invasões ocorreram em todo o País contra medidas do governo Temer (PMDB) e em Mato Grosso do Sul quatro instituições de ensino foram invadidas. Além da UEMS de Paranaíba, a UEMS de Campo Grande, a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) de Três Lagoas e a UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados. Somente em Paranaíba houve a necessidade de adiar o Enem.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário