A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

20/09/2011 11:11

Médicos querem piso de R$ 60 por consulta de plano de saúde e paralisam amanhã

Paula Vitorino

Atendimentos a planos de saúde ficarão suspensos por 24h amanhã em todo Brasil para pressionar negociações

Após o anúncio de paralisação nacional nesta quarta-feira (21), a principal reivindicação dos médicos é pela implantação de um valor mínimo pago pelas empresas de saúde aos procedimentos médicos. A CBHPM (Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos) deve variar conforme cada procedimento, mas para consultas o piso requerido é de R$ 60.

“Queremos a implantação plena e a vigência da CBHPM. Até agora as negociações não apresentaram os resultados que queremos. Algumas operadoras oferecem a proposta de implantação gradual para chegar a este valor só em abril de 2012, mas queremos esse reajuste pra este ano. O repasse tem que ser anual”, diz o tesoureiro do CRM-MS (Conselho Regional de Medicina), Alberto Cubel Junior.

De acordo com o Conselho, os valores pagos pelos planos de saúde no Estado variam entre R$ 42 e R$ 60 para consulta. Com o piso, nenhum plano poderia pagar menos que R$ 60.

Segundo Alberto, que também é presidente da Sociedade de Pediatria de MS, um médico pediatra atende em média 20 consultas por dia em uma clínica particular. Destas, 95% são de pacientes conveniados com planos de saúde.

Prejuízo para paciente? - Apesar de reivindicarem o aumento do repasse por consulta e outros procedimentos, o CRM garante que o reajuste para os médicos não deve ser sentido no bolso dos pacientes.

A justificativa é de os planos de saúde tiveram mais de 150% de reajuste no preço dos planos individuais nos últimos dez anos, enquanto que o repasse para os médicos só teve aumento de 50% e em alguns procedimentos o percentual foi ainda menor, de acordo com o CRM.

“As empresas estão muito bem de caixa, só este ano o paciente pagou 8% de reajuste e nada disso foi repassado ao médico, que é a pessoa que vai prestar todo o serviço. O paciente está sendo lesado com os aumentos na mensalidade e o médico com a falta de remuneração. Isso causa insatisfação nas duas pontas principais”, frisa.

Autonomia no atendimento - Outro ponto principal argumentado pelos médicos é a garantia da autonomia do médico no atendimento, sem que aja interferência das empresas.

A medida é reivindicada, segundo o CRM, porque muitos médicos são penalizados pelas empresas por pedirem exames que são considerados pelas operadoras como desnecessários.

Alberto explica que isso interfere diretamente na relação médico e paciente, além de prejudicar o diagnóstico correto e a saúde do atendido.

“Se eu resolvo que tais exames são importantes para o paciente o plano de saúde não interferir nisso. É um transtorno para o paciente e o médico ter que exigir que tal exame seja feito”, frisa.

A respeito de abusos cometidos por alguns médicos, com o pedido de exames desnecessários, o médico afirma que o erro de alguns não pode justificar o prejuízo para a saúde do paciente.

“Pode até acontecer abusos por parte de alguns, mas a grande maioria trabalha certinho e o Conselho existe justamente para fiscalizar essa conduta do profissional. O que não pode acontecer é o paciente precisar fazer o exame e o plano fazer ele de peteca, jogando de um lado pro outro”, ressalta.

Paralisação - A paralisação nesta quarta-feira (21) é a segunda neste ano. A recomendação é para que as consultas de planos de saúde sejam remarcadas para outro dia, conforme a agenda do médico.

A ação tem o objetivo de alertar a população para os abusos das empresas e pressionar as administradoras para as negociações.

A paralisação de 7 de abril teve 95% de adesão, segundo o CRM, e para amanhã é esperada a mesma participação ou porcentagem ainda maior.

Médicos de MS paralisam atendimento aos pacientes de planos de saúde no dia 21
Paralisação é nacional e quer pressionar empresas para reajuste de honoráriosOs médicos de Mato Grosso do Sul aderiram à mobilização nacional e irão...
Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...


Os médicos não acreditam neles mesmo em atender sem plano, ele já se forma pensando quantos pacientes o plano de saúde vai lhe mandar. rs... estuda anos para ser escravo de uma rede.
 
Vanderson Fávaro em 21/09/2011 11:06:31
essa unimed cobra uma fortuna e quando precisamos não tem hospital disponível porque eu pago plano não é por causa da consulta que é o dimenos ,o problema é precisar de um exame caro ou uma cirurgia que custa 25.000.00 quem tem esse dinheiro na hora passo o ano todo pagando plano sem usar e quando precisa a unimed tem que ver se tem vaga é pagar ou ficar no corredor da santa casa.
 
lucimara f. r. arrieiro em 21/09/2011 10:05:43
R$60,00 não cobre os custos de um atendimento todos estão esquecendo de tirar os impostos que incide sobre esse vlr, que varia de 16,08% a 27,5% . os planos de saúde deveriam pagar no minimo R$80,00 liquido para que uma clinica eo médico possa dar um atendimento de qualidade.
 
JUNIOR PEREIRA em 21/09/2011 09:51:34
Achamos justo a solicitação mais eles também deveria atender as outras operadoras de planos de saúde que existem também como Bradesco,Amil,Medial,Intermedica,Sul America e outras que tem no minimo mais 60.000 vidas e não ficar preso somente a Unimed,Cassems,IMBCG o que me passa e que o medico se forma para atender somente a Unimed e não pode atender mais ninguem que seja concorrente corda gente.
 
carlos Henrique em 21/09/2011 08:09:36
Médicos querem piso de R$ 60,00

AO INVÉS DAS UNIMED'S ESPALHADAS PELO BRASIL FICAREM A PATROCINAR CLUBES DE FUTEBOL, POR QUE NÃO ATENDEM AS REIVINDICAÇÕES DOS MÉDICOS?...
 
Inocencio Amorim em 21/09/2011 07:54:42
Infelizmente as empresas dos planos de saúde precisam lucrar, estamos no capitalismo. Brasileiros é que precisa participar mais da política, fazer política, participar de movimentos sociais e exigir do governo melhorias na saúde pública, de qualidade, não como está. Se o SUS fosse bom, não precisaríamos do plano.
 
Luiz Carlos em 21/09/2011 07:52:13
sou a favor dos médicos com essa paralisação solicitando o aumento do reembolso pelos planos de saúde. deve causar indgnação à classe médica o valor de reembolso por consulta e ou qualquer procedimento cirúgico,bastando fazer uma comparação com os preços cobrados em um salão de beleza.
a classe médica é prejudicada e ao mesmo tempo os pacientes dos planos de saúde em especial da rede pública
 
maria rita murano garcia em 21/09/2011 04:11:28
Concorodo com você Thiago Souza, pq q as consultas não podem ser cobrado R$ 60,00 reais por todos, se é isto que reinvindicam os médicos do plano de saúde? Enquanto o zé paga R$ 200,00reaispor uma conseulta e fica sem dinheiro pra comprar comida para sua familia, ou ele poder ser muito mal atendido pelo SUS q é a porta principal do pobre a saúde. Né lei 8080!!???
 
Vanderson Fávaro em 20/09/2011 07:29:36
O que deveria existir era so um plano de saude, referente a acomodaçao, diaria no hospital, quanto a consulta e cirurgia o paciente pagaria para medico, assim nao teriamos de pagar a intermediaçao para os plano de saude, pois os planos de saude e que ganham a fatia maior (LUCRO), enquando que os medico, cuidado leva uma fatia bem irrisoria.
 
djalma moreira de andrade em 20/09/2011 06:35:50
Concordo em gênero, número e grau com o Sr. Tiago. Por que não cobram os R$ 60,00 do paciente, e todos ficariam felizes.
 
Américo Felix em 20/09/2011 06:08:50
Por que esses medicos não cobram uma consulta particular mais barato. Ai sim ninguem iria pagar um plano de saude. ao inves de pagar uns 200,00 reais no plano de saude, se as consultas particulares fossem esse valor de R$ 60,00 acabaria com os planos de saude.
 
thiago souza em 20/09/2011 02:08:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions