A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

01/03/2012 09:40

Momento é favorável à conversão para o GNV, avalia especialista

Vladimir Platonow, da Agência Brasil

Com o barril do petróleo chegando a US$ 125 e a perspectiva de problemas geopolíticos no Oriente Médio, que podem elevar ainda mais o valor da gasolina nas bombas, o momento é favorável à conversão do carro para o gás natural veicular (GNV), disse o engenheiro Rosalino Fernandes, coordenador do Comitê de GNV do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP).

Ele alerta que o país tem que se preparar para a entrada de grandes volumes de gás natural, com a exploração do pré-sal e dos demais campos petrolíferos. “Existe a perspectiva de crescimento no mercado, com uma grande disponibilidade do pré-sal. Isso abre espaço para o gás complementar nossa matriz energética e de nos protegermos das oscilações do preço do petróleo”, disse.

Outro bom motivo para a adesão ao GNV, segundo o engenheiro, é que o preço do etanol, que seria uma alternativa à elevação da gasolina, também não deverá baixar: “O mercado de açúcar continuará demandador, incentivando as usinas a exportarem o produto, o que pressiona o preço do etanol internamente”.

Fernandes calcula que o gasto com a conversão para o gás natural seja pago em até 18 meses, pois além de custar menos que a gasolina e o etanol, o uso de GNV garante desconto de IPVA em estados como o Rio de Janeiro.

Ele garante que a utilização do GNV é tão segura quanto a de outros combustíveis, mas avisa que para isso é preciso atentar para duas condições básicas: fazer a instalação do kit gás em um local credenciado e efetuar manutenção anual no sistema do veículo, além de trocar o cilindro quando ele chegar ao fim de sua vida útil, calculada em até dez anos.

De acordo com o engenheiro, o Brasil já tem uma frota de 1,7 milhão de veículos rodando com gás natural. Em 2009 eram 1,5 milhão. O estado com o maior número de usuários de GNV é o Rio de Janeiro, com 789 mil veículos, seguido por São Paulo, com 385 mil, Santa Catarina, 71 mil, Bahia, 69 mil, e Minas Gerais, 63 mil.

Entre os fatores que dificultam a expansão da frota brasileira movida a gás, segundo ele, está a reduzida rede de postos que oferecem o combustível. Em todo o Brasil, que tem 5.566 municípios, existem 1.729 postos de GNV. No estado do Rio, são 537. Em São Paulo, 406, em Santa Catarina, 132, e na Bahia, 70.

“Embora a decisão das redes na instalação dos postos passe pela questão do retorno financeiro, cabe ao Poder Público incentivar o uso do GNV”, considera Fernandes, que lembra a importância do uso do combustível para o meio ambiente. Ao ser queimado, o etanol deixa pouquíssimos resíduos no ar.

Indenizações por morte no trânsito crescem 24% em relação a 2016
O número de indenizações pagas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat) entre janeiro e novemb...
ANS regulamenta novas regras de compartilhamento para planos de saúde
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou duas resoluções normativas na tentativa de dar mais segurança e estabilidade ao mercado de pla...
UFMS recebe inscrições para vários cursos no Vestibular 2018
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


Momento favorável ?Como foi no lançamento do GNV aqui em Campo Grande? Para com isso, somente quem investiu nesse projeto ou mesmo colocou o kit GNV nos veículos sabe como vai ser o final dessa história, o projeto não tem segurança é um grande risco e o governo como sempre só quer ganhar,faturar na hora que a coisa desanda ele sai fora e deixa os usuários na mão..sem essa de GNV..
 
leonardo gomes em 01/03/2012 12:21:22
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions