A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Junho de 2018

26/06/2009 18:52

Moradores denunciam obra mal feita no Residencial Oiti

Redação

Moradores do recém inaugurado Residencial Oiti, em Campo Grande, tiveram uma surpresa hoje, no dia da mudança: vazamento em diferentes pontos. Eles denunciam falhas na instalação da rede de águas que abastece as residências.

Considerado o maior empreendimento do PAR (Programa de Arrendamento Residencial) em Mato Grosso do Sul, o conjunto teve a primeira fase, que corresponde a 208 casas, inaugurada há apenas uma semana.

Presidente da Associação de Moradores do Residencial Maria Pedrossian, o Professor Jânio Batista de Macedo, conta que dois moradores foram procurar a entidade, que fica no bairro vizinho, para denunciar o problema. "A rede de água foi mal feita pela empreiteira responsável.

Jânio explica que a rede central de água que se estende pelas ruas em um cano de 60 milímetros não chega até as residências em, pelo menos, cinco pontos distintos.

Quando a empresa Águas de Guariroba ligou o registro mestre para fazer o teste de abastecimento, além da falta de conexão em diversos pontos foram constatados inúmeros vazamentos.

"Além de se tratar de dinheiro público, isso é um desrespeito com quem acredita no sistema habitacional", ataca o presidente. Com construção estimada em R$ 30 milhões, o residencial financiado pela CEF (Caixa Econômica Federal) terá 898 casas e está sob responsabilidade de um grupo de empreiteiras.

Por conta dos vazamentos, o asfalto "zerado" já teve que ser quebrado em algumas ruas do residencial, para que os canos rachados sejam substituídos e para que seja completada a conexão nos pontos em que ela não foi feita. Mas, ainda não é possível sequer ter uma estimativa de quantos são os pontos de vazamento.

Além desses problemas, funcionários da empresa Águas de Guariroba que realizam os 'consertos' no local informaram que até a rede por onde passa o cano está muito próxima do asfalto, a apenas 30 centímetros, quando deveria estar a, pelo menos, 60 centímetros abaixo do chão.

Transtorno - Após constatar os vazamentos em várias ruas do residencial, a empresa de abastecimento começou a corrigir o problema. Mas, para isso, teve que desligar o registro que abastece as casas.

Com o procedimento, o autônomo Benedito de Oliveira, de 25 anos, que escolheu o dia para assentar o piso na casa que acabou de receber, teve que realizar o trabalho praticamente 'a seco'.

"Eu precisava fazer massa para colocar o piso, e tive que buscar água na casa da minha mãe, que fica no Monte Castelo, em um barril de 200 litros", conta.

Para ele, o problema provocou transtorno na obra da casa. "Antes de a gente mudar a parte de encanamento devia estar pronta", reclama.

Apostadores de quatro estados são os mais novos milionários do país
Apostadores de quatro estados acertaram os seis números da sorte da Mega-Sena e são os mais novos milionários do Brasil. Os sortudos são de Salvador ...
MPE realiza processo seletivo para estagiários em 37 cidades neste domingo
O MPE (Ministério Público Estadual) aplica neste domingo (24) as provas do processo seletivo para estagiário em 37 cidades do Estado. As avaliações c...
Uems recebe inscrição para teste de proficiência em três idiomas até quarta
Segue até a próxima quarta-feira (dia 27) o período de inscrição para o exame de proficiência de leitura em inglês, francês e espanhol. O interessado...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions