A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

27/11/2014 17:52

MPE investiga fiscal por cobrar propina de construtora para liberar Habite-se

Ludyney Moura
MPE quer saber se para ser concluído, Ciudad de Vigo obteve alvará de forma irregular e com pagamento de propina (Foto: Alcides Neto)MPE quer saber se para ser concluído, Ciudad de Vigo obteve alvará de forma irregular e com pagamento de propina (Foto: Alcides Neto)

Uma denúncia anônima levou o MPE (Ministério Público Estadual) a abrir um inquérito civil para investigar suposta cobrança de propina do ex-diretor de Urbanismo da Prefeitura da Capital, João José Albuquerque Romero, para liberar um alvará para um residencial no Bairro Tiradentes.

Segundo a denúncia, feita em maio deste ano por um funcionário da MRV Construtora, o Habite-se do residencial Ciudad de Vigo, que fica na Avenida Marquês de Pombal, no Bairro Tiradentes, foi concedido sem que a empresa tivesse apresentado todas as licenças ambientais necessárias ao DURP (Departamento de Controle Urbanístico e de Postura), vinculado à Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano).

De acordo com o promotor responsável pelo processo, Alexandre Pinto Capiberibe Saldanha, da 30ª Promotoria de Justiça da Capital, a empresa não apresentou a Licença Ambiental de Operação, o que é obrigatório, conforme determina a chamada Lei do Uso e Ocupação do Solo.

O ex-titular da Semadur, João Alberto Borges, revelou que a licença não foi expedida porque a MRV não conseguiu executar uma obra de estocagem das águas fluviais, e que ele próprio solicitou a exoneração de João José do cargo de diretor.

“Quando recebemos a denúncia, eu mandei desarquivar o processo e constatei que de fato eles não havia apresentado a licença. Por isso eu determinei o cancelamento do Habite-se e comuniquei a empresa e o cartório (de registro de imóveis”, disse João Alberto.

Diante da denúncia, a PGM (Procuradoria Geral do Município) também instaurou um PAD (Processo Administrativo Disciplinar) contra João José, para apurar a suposta prática de improbidade administrativa.

Como o empreendimento já estava concluído e para não prejudicar os condôminos, a MRV foi obrigada a regularizar a situação junto ao Planurb (Instituto Municipal de Planejamento Urbano), além de uma multa compensatória pela irregularidade.

João José foi procurado pelo Campo Grande News para comentar o assunto, mas não foi encontrado para dar declarações. Procurada, a Prefeitura limitou-se a dizer, por meio de sua assessoria de imprensa, que o PAD contra ele ainda está em curso, mas não deu prazo final.

Procurada, a construtora negou que tenha pago propina ao ex-diretor. “A MRV Engenharia informa que não foi notificada sobre nenhum processo em Campo Grande e que exerce a sua atividade empresarial em consonância com a legislação em vigor. Ressalta ainda que o empreendimento Parque de Ciudad de Vigo teve suas licenças e respectivas aprovações de acordo com os parâmetros legais”, disse a nota da empresa.

O empreendimento Ciudad de Vigo tem ao todo 15 blocos com 704 apartamentos. De acordo com o inquérito civil cada unidade custa algo entre R$ 83 mil a R$ 115 mil, com uma área total de mais de 40 mil metros quadrados. Os custos de impostos pagos pela imprensa ultrapassaram R$ 480 mil.

Diretor da Semadur na gestão de Bernal é afastado da Prefeitura
O diretor do DURP (Departamento de Controle Urbanistico e Postura) da gestão de Alcides Bernal (PP), João José Albuquerque Romero, foi afastado hoje ...
Governo altera datas de teste físico de concurso da Polícia Civil
Foram alteradas as datas para realização da avaliação de aptidão física dos candidatos que continuam a participar do conurso público para escrivão e ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions