A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

14/05/2015 23:00

MS consegue reduzir em 24,5% mortes por disparo de arma de fogo

Lúcio Borges

Mato Grosso do Sul é o único estado da região Centro-Oeste que conseguiu reduzir em 24,5% as mortes decorrentes de disparo de arma de fogo, no período entre 2002 a 2012, de acordo com o Mapa da Violência 2015, divulgado hoje (14), em Brasília. O fato se torna ainda mais positivo, para o Estado, pois na região, que inclui os estados de Mato Grosso e Goiás, e o Distrito Federal, houve o crescimento das mortes pela arma dentro deste período.

Conforme Mapa, apesar da violência apresentada nos últimos anos, das cinco regiões do país, apenas o Sudeste registrou queda no número de vítimas de armas de fogo no período dos dez anos citados. Enquanto as regiões Norte (135,7%), Nordeste (89,1%), Centro-Oeste (44,9%) e Sul (34,6%) tiveram altas no número de mortes, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo reduziram esse tipo de mortalidade em quase 40% no período.

No Centro-Oeste, individualmente, o crescimento das mortes por arma de fogo entre 2002 e 2012 foi alavancado pelo aumento desse tipo de morte registrado em Goiás, que mais que duplicou o número de vítimas (107,6%). O Distrito Federal ficou atrás, com 41,1%, seguido por Mato Grosso (8,6%). Mato Grosso do Sul foi o único a conseguiu reduzir nos 24,5% as mortes decorrentes de disparo de arma de fogo.

A diminuição também foi vista, se for considerada a taxa de mortes por arma de fogo por Estado – índice que leva em consideração a população – São Paulo, Rio de Janeiro, Roraima e Pernambuco lideram o ranking de estados que conseguiram diminuir o número de vítimas. Na outra ponta da lista estão o Maranhão, Ceará, Amazonas e Rio Grande do Norte, estados com maior crescimento nos índices.

Elaborado pela Faculdade Latino Americana de Ciências Sociais, em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura no Brasil (Unesco), o Mapa da Violência 2015 – Mortes Matadas por Armas de Fogo mostra que entre 2002 e 2012 houve crescimento global de 11,7% das mortes por arma de fogo no Brasil.

Resultados por região

O resultado positivo da Região Sudeste, que reduziu as mortes por arma de fogo em 39,8%, foi impulsionado pela melhora dos índices de São Paulo, cujos números em 2012 caíram 58,6% com relação ao ano de 2002, e também do Rio de Janeiro, com queda de 50,3%. Minas Gerais teve aumento de 53,7% e o Espírito Santo, elevação de 10,3%.

O resultado negativo da Região Norte entre 2002 e 2012 teve o impacto dos aumentos de 298,2% de vítimas de arma de fogo no estado do Amazonas, de 204% no Pará e de 120,8% no Amapá. Em uma década, a região mais que duplicou o número de vítimas por arma de fogo. Em contrapartida, Roraima e Rondônia reduziram do número de mortes em 38,6% e 12,5%, respectivamente. O Tocantins e o Acre registraram incremento de 81% e 18,2%, respectivamente, nesse tipo de morte.

Na Região Nordeste, apenas Pernambuco, com queda de 33,4%, conseguiu reduzir o número de vítimas entre 2002 e 2012. O Maranhão (331,8%) e o Ceará (287,9%) praticamente quadruplicaram as mortes por arma de fogo no período. O Rio Grande do Norte, com crescimento de 206,9%, mais que triplicou, enquanto a Paraíba (179,4%), a Bahia (148,3%), Alagoas (140%), e o Piauí (123,4%) mais que duplicaram o número de vítimas.

Região Sul - O estado do Paraná, com crescimento de 55,3% no número de mortes entre 2002 e 2012, liderou o resultado negativo da Região. Santa Catarina teve crescimento de 34,2% e o Rio Grande do Sul, de 15%.

Considerando a população nas cinco regiões do país, as taxas de óbito para cada 100 mil habitantes no Brasil permaneceram praticamente idênticas nos anos extremos da década: 21,7 homicídios por 100 mil habitantes, em 2002, e 21,9, para cada 100 mil habitantes, em 2012. (com informações Agência Brasil)



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions