A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

23/05/2013 16:30

MS deve ser punido por desperdício de verbas do sistema penitenciário

Nadyenka Castro
Presídio de Segurança Máxima, em Campo Grande. (Foto: Marcos Ermínio)Presídio de Segurança Máxima, em Campo Grande. (Foto: Marcos Ermínio)

Mato Grosso do Sul e mais 10 Estados podem ser punidos por desperdícios de verbas federais destinadas ao sistema penitenciário. De acordo com o CNJ (Conselho Nacional de Justiça), juntos eles deixaram de utilizar R$ 103,384 milhões desde 2011.

Por causa da situação, o CNJ pediu ao MP (Ministério Público) que responsabilize as autoridades responsáveis pelas verbas. Recursos estes que deveriam ter sido utilizados na construção ou reforma de unidades prisionais, totalizando 39 contratos. Estes documentos acabaram sendo cancelados ou encerrados.

O pedido foi enviado na terça-feira (21) em ofícios aos procuradores-gerais de Justiça de Alagoas, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Sergipe, Tocantins, Goiás, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. Também receberam comunicação os representantes do Ministério Público Federal nesses Estados.

O CNJ explica que obras não foram feitas, mesmo havendo dinheiro e tendo o CNJ constatado superlotação nos presídios destes 11 Estados.

“Diante de um cenário tão calamitoso, é incompreensível que tais estados tenham simplesmente abdicado dos recursos federais para melhoria das condições de vida em seus presídios. Penso que, para efetivar a política proposta pelo Depen, é preciso provocar as autoridades para apurar as responsabilidades administrativas e penais pelo desperdício”, afirmou o conselheiro Jorge Hélio Chaves de Oliveira.

Durante o julgamento do processo, o presidente do CNJ, ministro Joaquim Barbosa, mostrou-se espantado com os valores. “Cento e três milhões de reais seguramente resolveriam os problemas de dois ou três estados. Deixariam (o sistema prisional deles) em condições civilizadas, pelo menos”.



Para conhecimento do Senhor Luiz Inácio, servidores públicos pagam aposentadorias particular, recebem pequena quantia do Estado, há um desconto para aposentadorias de 12% do no salário. O problema aqui é outro do não investimento; se eu não sou médico, não posso responder pela clínica no assunto medicina, caso persista, vou dar prejuizo. Analise!
 
luiz alves em 24/05/2013 07:44:33
o CNJ mandou pra quem? MPE, iiii.... o mpe está preocupado mesmo é encher o saco do Bernal e do povo trabalhador da Capital, aliás, no estado ninguém mexe, governador manda e desmanda e fica por isso mesmo... e o mpe? alí eles não tem coragem, o bando não permite. É bom que se diga que o mpe não está acima do bem e do mal, os representantes do mpe podem até serem chamados para darem explicações das suas atitudes.
 
silva souza em 24/05/2013 06:47:12
Isso é Brasil! se cavucar sai mais coisa ai.
 
ROBERTO FERREIRA em 23/05/2013 20:03:13
Lamentável! O MS é, sem dúvida, um dos Estados mais desorganizados tanto no sistema prisional quanto no socioeducativo...Gasta mal, gerencial mal, arranja desculpa para tudo, não tem planejamento...
 
Roberto Ferreira em 23/05/2013 18:52:06
Construir é o mais fácil, quero saber quanto dinheiro o governo federal se dispõe a repassar para a manutenção dos presídios. Pagar comida para presos, assistência à saúde, agente penitenciário, equipamentos e mobília, aposentadoria de servidores, conta de água, de energia, de material de consumo e de expediente: aí é que o bicho pega!
 
luiz inacio de souza em 23/05/2013 17:27:46
Cifras,cifras e mais cifras... nao sei porque tantos gastos em obras publicas...nada se resolve...o dinheiro é realmente mal investido no País!
 
RAFAEL ALVES em 23/05/2013 17:17:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions