A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

22/01/2013 18:53

Mudança no aprendizado garante vaga cada vez mais cedo na universidade

Helton Verão
Letícia, pretende cursar Medicina ou Direito nos próximos anos (Foto: Luciano Muta)Letícia, pretende cursar Medicina ou Direito nos próximos anos (Foto: Luciano Muta)

O sonho de ingressar em uma faculdade todo estudante tem. Mas em Mato Grosso do Sul tem chamado a atenção os casos de adolescentes com menos de 15 anos aprovados em faculdades públicas. O Campo Grande News conversou com o doutor em educação e professor na UFMS, Antonio Osório, a aprovação de gente cada vez mais nova teve início desde que começaram as reformas na educação.

Para ele, pelo fato dos adolescentes terem acesso à internet e a outros tipos de aprendizado, eles são diferentes de outras gerações. E a faculdade é apenas mais uma parte do aprendizado, e que esses jovens aprovados entram com a mesma característica de outros acadêmicos: as dúvidas sobre o curso e o mercado de trabalho.

Letícia Yume Herculano Togoe, de 12 anos, é mais uma a integrar este seleto grupo, aprovada para o curso de pedagogia, para a UEMS (Universidade Estadual de MS), mas que em decisão conjunta com seus pais, preferiu não tentar fazer a matrícula.

“Fiz para saber como estou e quanto precisaria para passar em Medicina, não esperava um resultado tão positivo. A prova estava muito fácil”, responde a estudante que apenas cursou 8º ano do ensino fundamental em 2012.

A jovem atribuiu seu ótimo desempenho a sua boa memória e que preferiu não tentar se matricular. “Leio livros e decoro apenas uma vez. Preferi não tentar cursar por ser muito nova”, revela Letícia, que não descarta a possibilidade de ingressar quando estiver entre 15 a 16 anos.

O irmão de Letícia, de 18 anos tentou ingressar em Análise de Sistemas e Ciências da Computação, mas não conseguiu alcançar a pontuação. O que gerou inúmeras brincadeiras na família.

 

Nathaly se matriculou para o curso de Artes na UFMS (Foto: Rodrigo Pazinato)Nathaly se matriculou para o curso de Artes na UFMS (Foto: Rodrigo Pazinato)

Dos seis casos que se teve conhecimento até o momento, apenas o de Nathaly Gomes Tenório, de 14 anos, que conseguiu através de ordem judicial fazer a matrícula no curso de Artes Visuais na UFMS.

Após essas situações, a principal questão a se tratar é se esses adolescentes estão preparados e maduros suficientes para encarar a rotina de uma faculdade e a sala de aula com pessoas mais velhas.

“É uma experiência que pode dar muito certo, como pode dar errado, não vejo problema nenhum nisso”, comenta o doutor em Educação Antônio Osório. Segundo ele, talvez a possibilidade da dificuldade pedagógica, é por esse adolescente mais jovem ser dependente da atenção do professor. “O aluno é responsável pela vida acadêmica dele”, completa.

A paciência dos colegas de sala adultos pode ser outro fator negativo, já que muitas vezes o adulto não tem paciência com o adolescente, geralmente os mais velhos acham que é perda de tempo fazer inúmeras perguntas, mas para o professor isso faz parte.

Antonio ainda lembra que essa relação com os adultos leva valores aos adolescentes, por se tratar de uma troca de experiências. Apesar de queimar algumas etapas em sua vida, ele amadurece mais rápido, afirma o especialista.

“Em muitas famílias ele é o primeiro a entrar na universidade, o resultado desse projeto de aprendizado só é possível quando ele sair”, explica.

E se não der certo, o estudante descobrir que não tem vocação para esta área, quando ele formar ele vai estar mais maduro, com mais convicção do que quer. “Se quiser mudar ele vai ter maturidade e tempo”, finaliza Osório.

Governo altera datas de teste físico de concurso da Polícia Civil
Foram alteradas as datas para realização da avaliação de aptidão física dos candidatos que continuam a participar do conurso público para escrivão e ...
Mega-Sena acumula e prêmio no sábado pode chegar a R$ 39 milhões
A Mega-Sena mais uma vez ficou sem vencer na noite desta quarta-feira (13) e, assim, acumulou. O prêmio pode subir para R$ 39 milhões no sorteio do p...


Humm,,penso que cada caso é um caso. Se o adolescente quer "queimar suas etapas", o que eu tenho a ver com isso? Cada familia que lide com seus problemas. O Estado e sociedade brasileira tem que parar de querer controlar a vida das pessoas. Minha filha entrou com 16 anos recem completados na Universidade.Foi morar sozinha,responsavel pelo dinheiro que era depositado na conta dela para suas despesas e inclusive pagar a faculdade. Foi considerada a melhor aluna no curso de Jornalismo (eu recebi todos os elogios possiveis de seus professores na sua formatura).Recebeu o grau "com louvor", aos 19 anos de idade.Ta empregada e é simplesmente amada e respeitada pela sua capacidade, pelos chefes e colegas. Viva minha linda filha! rsrsrs
 
Ana Romero em 23/01/2013 12:59:32
Essas aprovações desses jovens são reflexos de uma seleção mal feita. Que conhecimentos o ENEM está cobrando em suas provas? Entrar na universidade jovem não é bom, não sao todos que tem capacidade para tal. As vezes a sorte leva um jovem de 14, 15 anos a universidade sem o mesmo estar preparado para isso, todos deveriam ao mesmo completar o ensino médio. Imagina se um desses jovens que ingressam aos 12, 13 , 14 anos em um curso de faculdade e 6 meses depois ele avalia que não é isso o que ele realmente queria. Será que ele vai poder voltar a escola? Afinal ele "concluiu" o ensino médio e as demais séries para estar na faculdade. Essa prova do ENEM que não avalia nada deveria ser revista, tem de saber diferenciar os que são realmente inteligentes dos sortudos.
 
João Fernandes em 23/01/2013 12:17:16
E também vai aprender a fumar maconha com os universitários bem antes da hora...
 
Lothar Bauer em 23/01/2013 10:39:45
Não vejo essa nova realidade como resultado de mudança no aprendizado, e sim como mudança na atitude de quem é aprovado sem os requisitos necessários (conclusão de nível médio), e que busca o direito de matricular-se por meio da Justiça.
Como o Enem confere direito de certificar nível médio para maiores de 18 anos, nada mais justo que faça o mesmo para os demais. Na verdade, o Enem, que leva a bandeira de "universidade para todos", está mesmo é a questão da necessidade e obrigatoriedade de cursar o nível médio. Acho de deviam ter deixado aquele menino de 9 anos, de Goiânia, cursar Direito, quando passou no vestibular... já estaria formado... precocidade???? Quantos ficam de fora por não saber como fazer para impetrar Mandado de Segurança? Parabéns aos que conseguiram!!!
 
Janaina Cabral em 23/01/2013 10:29:09
Garotada pulando os passos, o ensino médio vai muito além de "mais uns anos de estudos", no ensino médio é onde ocorre a concretização da formação do caráter da pessoa, além do mais, as matérias que realmente são relevantes, são aprendidas no ensino médio e sequer chegam a ser vistas antes dele.
Vale lembrar que entrar para a faculdade não é uma tarefa extremamente difícil, difícil mesmo é se formar na faculdade. Boa sorte aos alunos que decidiram deixar pular as etapas fundamentais do ensino médio para deixarem de ser adolescentes mais rápido.
 
João de Deus em 23/01/2013 08:22:56
Há dois anos eu e meu irmão já ingressamos com ações para diversos jovens obterem o direito constitucional de acesso a educação tanto em universidades públicas como em particulares. e ouvimos várias críticas de que iria chegar uma hora que cada vez mais cedo estaríamos colocando crianças na universidade. Absurdo é não investirmos na inteligência de nossos jovens barrando-os do direito de saber. Os tempos mudaram o mundo evolui a cada dia e temos que evoluir com ele. Tenho orgulho dos meus `precoces` e vibro com minhas vitórias judiciais em favor deles!!!
 
Jacqueline Hildebrand em 22/01/2013 20:44:06
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions