A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2018

28/11/2013 15:54

Novas regras ambientais não são cumpridas por 168 postos de gasolina

Aline dos Santos
Feira do ramo de combustíveis movimentou o setor nesta quinta-feira na Capital (Foto: Cleber Gellio)Feira do ramo de combustíveis movimentou o setor nesta quinta-feira na Capital (Foto: Cleber Gellio)

Dos 560 postos de combustíveis no Estado, 30% (168) ainda não se adequaram às regras para regularização ambiental. “Ainda estão se adequando, mas 70% fizeram as mudanças”, afirma o supervisor técnico do Sinpetro/MS (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes), Edson Lazaroto. As exigências são tanques com revestimento duplo e bombas com mais segurança e menor odor de combustível.

Em Campo Grande, 90% dos 170 postos concluíram as modificações para combater a poluição do solo e dos recursos hídricos por contaminação decorrente do vazamento e de destinação inadequada de produtos derivados do petróleo.

Na Capital, o processo foi deflagrado em 2009, a partir de assinatura de TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com o MPE (Ministério Público Estadual) e a Semadur (Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano). Segundo o supervisor, os postos de Campo Grande conseguiram prorrogação até 28 de fevereiro. No ano passado, seis unidades chegaram a ser lacradas por descumprimento do termo.

No restante do Estado, a legislação é fiscalizada pelo Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). Segundo Lazaroto, o órgão estadual também deu prazos para os empresários se adequarem. “Os investimentos são onerosos, os tanques caríssimos”, afirma.

Além do aço, o tanque precisa ser revestido com fibra de vidro. Dono de posto em Bela Vista, Almir Stein conta que vai investir R$ 150 mil para substituir três tanques. Já as novas bombas custam de R$ 15 mil a R$ 20 mil. De acordo com o presidente do Sinpetro, Mário Seiti Shiraishi, no começo as mudanças foram recebidas com ceticismo. “Acharam uma atitude bizarra”, diz. Depois, os empresários se convenceram dos benefícios das alterações. Segundo ele, o setor é o quarto maior segmento de arrecadação.

Nesta quinta-feira, no Ondara, em Campo Grande, foi realizado workshop sobre legislação e sustentabilidade. Foram apresentadas novidades do setor e o ex-ministro Ciro Gomes (Pros) realizou palestras. Num dos estandes, a atração era uma bomba de combustível de R$ 13.500. A peça é em alumínio, que resiste melhor a clima do que as de aço. A feira também foi realizada em Paranaíba e Dourados.

Postos de combustíveis da Capital participam de "dia sem imposto"
Postos de combustíveis na Capital venderão no próximo sábado (25) 30 mil litros gasolina sem cobrança de impostos, em celebração do Dia de Respeito a...
Procon detecta fraude em 59% dos postos de combustíveis
O Procon/MS (Coordenadoria de Orientação e Defesa do Consumidor de Mato Grosso do Sul) detectou irregularidades em 59% dos 62 postos de combustíveis ...
Capes recebe até esta sexta-feira inscrições a 400 bolsas de estudo
A Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) recebe até amanhã (19) inscrições para programas no exterior. São 400 vagas dis...


É bom que o IBAMA verifique certinho, pois tem posto sendo plantado em cima de nascente de córrego, exemplo do córrego bandeiras.
 
juraci montanha em 28/11/2013 16:58:02
Como reclamam... os resíduos contaminam lençóis freáticos, senhores proprietário reclamões....
 
Maria José em 28/11/2013 16:38:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions