A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

04/07/2011 23:16

OAB quer que MEC supervisione faculdades de direito com baixo desempenho

Débora Zampier, da Agência Brasil

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, pedirá ao ministro Fernando Haddad que o Ministério da Educação (MEC) supervisione as faculdades de direito em que nenhum bacharel tenha sido aprovado no exame da entidade. Na última edição, 81 das 610 faculdades de direito do país não tiveram qualquer egresso aprovado pela OAB.

Atualmente, o MEC monitora faculdades que tiveram nota baixa no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade). Nesses casos o ministério estabelece metas a serem cumpridas sob pena de redução de vagas, suspensão e até fechamento de cursos.

Para Ophir, algumas instituições tem cometido “um verdadeiro estelionato educacional” com estudantes que acreditam estar recebendo uma boa educação. "O descompasso na qualidade do ensino contribui para desmerecimento das profissões jurídicas como um todo."

Ministério Público faz contrato de R$ 3 milhões com empresa de informática
O MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) firmou contrato de R$ 3,3 milhões com a empresa Click Ti Tecnologia Ltda. Com validade de seis me...
Novos critérios definem morte encefálica e afetam doação de órgãos
O Conselho Federal de Medicina (CFM) divulgou hoje (12) critérios mais rígidos para definir morte encefálica. A mudança nos procedimentos tem impacto...


Concordo em parte com Jose Alfredo, mas sou acadêmica de Direito, e neste semestre, tivemos um professor que foi um verdadeiro fracasso, reclamamos na coordenação do curso, e nada foi feito, ele faltou um mês e não tivemos professor substituto, não aprendemos nada, ele chegou de viagem (é isso mesmo, pessoal "férias" antecipadas) correu com a matérias (porque não teve tempo para aplicar o conteúdo) e aplicou uma prova "ferrada", reclamamos e nada adiantou, agora só espero não encontrar ele novamente por lá.
 
Margarida Rodrigues em 05/07/2011 12:02:15
È uma verdadeira estória de "gato e rato"; o professor brincando de ensinar e o aluno brincando de aprender. Uma grande parte de culpa desse caos é do próprio aluno, onde a grande maioria não quer nada com nada, e o restante não exige seus direitos. Conheço duas professoras que hoje lecionam em cursinhos preparatórios para concurso, excelentes profissionais, que abandonaram as faculdades onde lecionavam, diga-se de passagem, particulares, aqui de Campo Grande, por discordarem dos conteúdos reduzidos propostos e exigidos pelos reitores.
 
jose alfredo de melo em 05/07/2011 10:04:08
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions