A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 23 de Setembro de 2018

13/04/2017 12:01

Pesquisa irá apurar custos em saúde relacionados a violência contra mulher

Luana Rodrigues e Richelieu de Carlo
Prefeito Marquinhos Trad, durante evento de assinatura do protocolo de intenções da pesquisa, no Hotel Deville, em Campo Grande. (Foto: Alcides Neto)Prefeito Marquinhos Trad, durante evento de assinatura do protocolo de intenções da pesquisa, no Hotel Deville, em Campo Grande. (Foto: Alcides Neto)

Uma pesquisa realizada em Mato Grosso do Sul irá apurar quais são os custos em saúde relacionados à violência contra a mulher. O levantamento será feito pela empresa Xaraés Consultoria e Projetos, em hospitais da Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul), em parceria com a ONU Mulheres (Organização das Nações Unidas para as Mulheres) e a OPAS (Organização Pan-Americana para as Mulheres).

Além da pesquisa, um protocolo de intenções foi assinado pelas instituições nesta quinta-feira (13), e tem como objetivo desenvolver ações internas e externas visando à diminuição da violência contra as mulheres no Estado, e identificar como a Cassems é afetada com a problemática.

De acordo com o presidente da Cassems, Ricardo Ayache, apoiar campanhas que lutam pelo bem-estar dos cidadãos sempre foi uma marca da instituição. “Seguiremos mobilizando a sociedade em torno das discussões e dos avanços necessários, como é o caso da violência contra a mulher”, pontuou Ayache.

O prefeito Marquinhos Trad (PSD), que também participou da assinatura do protocolo, afirmou que algumas ações servem para combater a consequência, mas é preciso descobrir a causa da violência. “É lamentável viver numa cidade com um dos maiores índices de violência do país. Para mim, este problema se resolve reeducando o ser humano”, disse.

Segundo a subsecretária de Políticas para Mulheres do Governo, Luciana Azambuja, no 1º trimestre deste ano foram registrados cinco mil denúncias de violência contra mulheres em todo estado. Em Campo Grande foram 1700 registros, uma média de 600 por mês.

De acordo com o “Relatório Mundial sobre Violência e Saúde 2002” da Organização Mundial de Saúde (OMS), em 48 pesquisas realizadas com populações do mundo todo, entre 10% a 69% das mulheres relataram ter sofrido agressão física por um parceiro íntimo em alguma ocasião da sua vida. Para muitas dessas mulheres, a agressão física não foi um evento isolado, mas sim parte de um padrão contínuo de comportamento abusivo.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions