ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

PM que estava foragido em operação já foi levado para Presídio Militar

Aline dos Santos | 24/11/2011 12:21

Policiais são acusados de receber propinas para liberar contrabando de cigarro

Polaco é considerado o maior contrabandista de cigarro do País. Ele foi preso na manhã desta quarta-feira (23), em uma fazenda no município de Eldorado. (Foto: Viviane Oliveira)
Polaco é considerado o maior contrabandista de cigarro do País. Ele foi preso na manhã desta quarta-feira (23), em uma fazenda no município de Eldorado. (Foto: Viviane Oliveira)

O policial militar que estava foragido da operação Alvorada Voraz já teve o mandado de prisão temporária cumprido. Conforme a assessoria da PM (Polícia Militar), ele foi localizado ontem à noite e foi levado ao Presídio Militar.

Durante a manhã, equipe da Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais) foi

à casa do policial no bairro São Francisco, em Campo Grande, mas ele não foi localizado. O policial é lotado na PRE (Polícia Rodoviária Estadual), em Ponta Porã.

Os policiais são acusados de receber propinas – nos valores entre R$ 3 e R$ 6 mil – para liberar o contrabando. De acordo com o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), o esquema também envolvia um agente tributário estadual, que recebia R$ 6 mil. Lotado em Brasilândia, o agente está foragido.

Sete policiais eram alvos da ação de combate ao contrabando, cujo esquema era liderado por Alcides Carlos Grejianin, o Polaco. Destes, três foram presos e um já estava detido no Presídio Militar de Campo Grande. Um quarto policial, de Campo Grande, está foragido. Outros dois não tiveram a prisão decretada.

Ao todo, foram expedidos 17 mandados de prisão, sendo quinze cumpridos. A operação foi desencadeada nas cidades de Antonio João, Caracol, Jardim, Porto Murtinho, Campo Grande, Eldorado e Brasilândia, além de Brasília (DF) e Umuarama (PR).

Em Eldorado, foram presos Polaco e dois filhos. Polaco é dono de um patrimônio milionário. A justiça federal já sequestrou seis fazendas de propriedade do contrabandista, sendo uma avaliada em R$ 20 milhões. Ele responde a processos por contrabando de cigarro e lavagem de dinheiro. Em fevereiro deste ano, a justiça arrecadou R$ 7 milhões com leilão do gado apreendido.

Em agosto de 2007, Polaco chegou a ser preso quando foi apontado como um dos envolvidos na morte do auditor da Receita Federal, Carlos Renato Zamo.

Assassinado em outubro de 2006, o auditor foi encontrado carbonizado dentro de um veículo na MS-295, entre as cidades de Iguatemi e Eldorado.

Nos siga no Google Notícias