ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  04    CAMPO GRANDE 28º

Cidades

Por segurança, presidente do TRE ganhou escolta após prisão de filho

Ao arquivar ação do MP, Tribunal de Justiça aponta que documentos confirmam que o uso de veículos públicos e do auxílio de servidores ocorreu dentro da legalidade

Por Aline dos Santos | 29/06/2018 12:04
Tribunal de Justiça arquivou denúncia contra desembargadora.   (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)
Tribunal de Justiça arquivou denúncia contra desembargadora. (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

A decisão em que o TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) arquivou ação de improbidade contra a presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), desembargadora Tânia Garcia de Freitas Borges, informa que ela foi inserida no sistema de proteção aos magistrados após a prisão do filho Breno Fernando Solon Borges. 

Portanto, tinha direito à escolta e veículos oficiais usados na viagem a Três Lagoas, quando buscou o filho no presídio para ser internado em clínica de luxo. A desembargadora, que  assume o comando do Tribunal de Justiça em 2019,  foi denunciada por “forçar” a soltura de Breno. 

Conforme o relator Claudionor Miguel Abss Duarte, documentos confirmam que o uso de veículos públicos e do auxílio de servidores ocorreu dentro da legalidade, mediante autorização e sem nenhum abuso que possa configurar a busca do interesse pessoal.

Segundo o processo, com a prisão de Breno, flagrado com drogas e munições em abril de 2017, foi disponibilizado aparato de segurança para a desembargadora. A medida foi tomada diante da notícia de envolvimento de Breno com agiotas e traficantes de drogas, que poderia resultar em perigo à integridade física da presidente do TRE. Também houve relato de um veículo rondando a casa da desembargadora no dia seguinte à prisão do filho.

“Assim, o uso do veículo oficial do Tribunal de Justiça, bem como da pessoa responsável pela escolta e transporte, ao invés de caracterizar uso particular ou desrespeito aos princípios da administração pública, transparece como a medida adequada para a situação descrita pela Comissão Permanente de Segurança Institucional, sobre os riscos à agravada, os quais certamente seriam maiores, no encaminhamento ao Presídio de Três Lagoas”, afirma o desembargador Claudionor Abss Duarte.

O recurso da defesa foi aceito na quarta-feira (dia 27), por unanimidade, pela 4º Câmara Cível e a ação arquivada. O Ministério Público pedia que Tânia Borges fosse condenada a ressarcir integralmente o valor gasto com a escolta de Campo Grande a Três Lagoas e toda a mobilização feita para soltar o filho, além de pagar multa equivalente a 100 vezes o seu salário.

Breno foi preso em 8 de abril do ano passado e a ordem judicial para soltá-lo foi dada na madrugada de 21 de julho. Para “busca e liberação” do filho, ela usou escolta policial e veículos públicos.

Conforme a promotoria, também persistia dúvida sobre a validade da decisão, pois Breno tinha contra ele outro mandado de prisão, oriundo da Operação Cérberus, realizada pela Polícia Federal.