A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

16/12/2013 15:15

Professores fecham acordo e MS será o 1º a pagar piso para 20 horas

Edivaldo Bitencourt e Zana Zaidan
Assembleia da Fetems, na manhã de hoje, que aprovou acordo com o Estado (Foto: Divulgação)Assembleia da Fetems, na manhã de hoje, que aprovou acordo com o Estado (Foto: Divulgação)

O Governo estadual fechou um acordo com a Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação ) para promover reajuste salarial de 44% em cinco anos e Mato Grosso do Sul será o primeiro estado brasileiro a pagar o piso nacional para uma jornada de 20 horas para o magistério. O acordo, aprovado em assembléia geral hoje da entidade, vai contemplar aproximadamente 20 mil professores.

Conforme o presidente da entidade, Roberto Magno Botareli César, a proposta prevê reajuste de 8,5% a partir de 1º de janeiro deste ano. O Estado também vai incorporar os 20% restantes da regência ao salário. Com essa medida, a regência será 100% incorporado ao vencimento.

Além disso, o governador André Puccinelli (PMDB) propôs implantar o piso para jornada de 20 horas. Para o docente de nível médio, sem considerar os reajustes no piso nacional, o aumento será de 44% em quatro anos, entre 2015 e 2018.

A proposta prevê que o valor do vencimento, de R$ 1.085, que atualmente equivale a 69,24%, passe a ser de 69,61% do valor em 2014. Se a correção do novo piso pelo Ministério da Educação ficar em 8,5%, o Governo estadual complementará o reajuste ainda no próximo ano, que poderá chegar a 10%.

César detalha que o governador se compromete a estabelecer a política salarial até 2018. O projeto será encaminhado amanhã à Assembleia Legislativa e prevê que o valor do vencimento chegue a 77,2% do piso nacional em 2015, 84,79% em 2016, 92,38% em 2017 e 100% em 2018.

O presidente da Fetems destaca que Mato Grosso do Sul será o primeiro estado brasileiro a pagar o piso nacional para jornada de 20 horas. Um professor com nível superior poderá receber R$ 1.880,40 para jornada de 20 horas. “O concurso é de 20 horas, estamos batendo nisso para conseguir o piso de 20 horas”, ressaltou o presidente da Fetems. “Foi uma baita vitória”, comemorou.

A ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública), que representa os 5 mil professores da Campo Grande, encaminhou proposta diferente. No entanto, como a maioria dos demais sindicatos que compõem a Fetems foi a favor da proposta, a Capital foi voto vencido.

O presidente da entidade, Geraldo Gonçalves, explica que os trabalhadores não concordam com a implantação do piso a partir de 2015. “Temos o compromisso do governador André Puccinelli, mas até 2015, nosso Estado será administrado por outro, e não teremos a garantia desse novo governante”, aponta.

Outra proposta é a revogação da lei 3.603/2008, que estabelece o mês de janeiro como data-base de negociação salarial dos professores. “Sugerimos maio. Do jeito que está hoje, não há tempo hábil para discutirmos. Em dezembro, os profissionais têm compromissos com alunos que estão na reta final, ou em exames nas escolas. Se houvesse a mudança, teríamos um intervalo melhor”, defende Gonçalves.

Professores reivindicam 20h e paralisam 325 escolas nesta terça-feira
A paralisação dos trabalhadores em educação da Rede Pública Estadual foi confirmada para esta terça-feira (03). Os professores farão uma mobilização,...
Na véspera de paralisação de 24 horas, governador se reúne com professores
O governador André Puccinelli (PMDB) antecipou, da tarde para as 11h de hoje, a reunião com a direção da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educa...
Governo convoca professores para negociar e evita paralisação em MS
O governador André Puccinelli (PMDB) convocou a Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação do Estado) para uma reunião na próxima segunda-feira ...


Ainda bem que não sou mais associado. Não representam e jamais me representaram!
 
fabio lopes em 17/12/2013 10:04:45
Já é um começo, mas precisa bater lata também pela melhoria do ensino, que não é exclusividade do esforço do professor, mas sim de um método de ensino melhor, uma grade curricular menos fragmentada, e até a formação do professor, que segundo consta as faculdades ensinam mais a filosofar do que a dar aulas propriamente ditas. Agora professor preencher aulas com filminhos que levam do nada ao lugar ninguém merece. E o bom profissional sabe o que é melhor para o ensino, mas precisa lugar para por isso em prática. Que para o Estado quanto mais um cidadão alienado melhor.
 
maria vieira em 17/12/2013 09:37:11
Como são ingênuos essa categoria de profissionais, quem que não está vendo que a proposta do governo é só pra ganhar tempo e que não será o governo atual quem vai cumpri-la, será que o próximo governo vai? Ou vai fazer igual ao atual Prefeito de Campo Grande, que não cumpriu a promessa do Sr. Nelsinho em relação aos aumentos da categoria. É, realmente,essa classe de professores deve ser bem mal representada mesmo, por esses Sindicatos comprados que temos! Fica o desabafo.
 
Jonas Rodrigues em 17/12/2013 09:07:59
2015 até 2018?????
É palhaçada mesmo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Fetems vc é uma vergonha hein..
 
Carlos Netto em 16/12/2013 16:30:18
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions