A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

29/10/2009 15:23

Sem dinheiro para ônibus, avó não consegue acesso a laudo

Redação

Sem dinheiro sequer para pagar a passagem do transporte coletivo urbano, a avó das duas crianças indígenas de um ano, que morreram a caminho do posto de saúde no início de setembro deste ano, reclama que não foi comunicada sobre o resultado do exame, cerca de duas semanas após ele ficar pronto.

"Está todo o mundo quieto, não comunicaram nada", reclama a avó, Elizabeth Canale, de 43 anos.

Ela conta que foi à 4ª Delegacia de Polícia da Capital, onde o caso é investigado, na tentativa de obter notícias sobre a morte das netas. No local ela recebeu a confirmação de que o laudo foi concluído, mas não conseguiu nenhum detalhe do seu resultado.

Segundo Elizabeth, a polícia a orientou a procurar no IML (Instituto Médico Legal) a segunda via do laudo. Mas, enquanto não consegue dinheiro para o ônibus, a família continua sem notícias do que pode ter provocado a morte das gêmeas. "As meninas ninguém vai trazer de volta", desabafa ainda a avó.

Polêmica - As duas crianças indígenas morreram no início de setembro, a caminho do hospital. Elas haviam sido atendidas no posto de saúde do bairro Guanandi, onde foram medicadas apenas com Dipirona e mandadas de volta para casa.

A morte das crianças causou polêmica e levantou suspeitas, inclusive entre a classe médica. Mas nenhuma delas foi comprovada até agora, porque mesmo após dois laudos terem sido realizados, ainda não há respostas para o que aconteceu com as crianças.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions