A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

07/01/2008 10:50

Sem estrutura, IMLs não conseguem identificar mortos

Redação

A precariedade dos órgãos do IML (Instituto Médico Legal) de Coxim e Aquidauana tem prejudicado a solução de crimes e a identificação dos corpos. Em outras cidades, a identificação é prejudicada pela ausência de IML.

Sem um compressor responsável por refrigerar os corpos, o IML de Aquidauana (148 km de Campo Grande) não consegue sequer conservar um cadáver até que possa ser feita a identificação dele. Um funcionário do órgão, que pediu para ter o nome preservado, diz que o problema já perdura um ano. Os vizinhos reclamam do mau cheiro.

Já o IML de Coxim (266 km da Capital) conta com dois médicos legistas, mas nenhum deles mora naquela cidade. Um deles reside em Campo Grande e o outro em Pedro Gomes. Conforme o repórter policial Sidney Assis, muitas vezes a polícia precisa manter o local de um crime ou acidente isolado por horas até a chegada do perito. "Sempre teve esse problema aqui. Já teve caso de família esperar até 12 horas para liberar um corpo.

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions