ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEXTA  14    CAMPO GRANDE 31º

Cidades

Por conta dos garranchos, 192 receitas médicas já chegaram a canal de denúncias

Reclamação é da caligrafia dos médicos, que pode levar ao erro sério quanto ao medicamento indicado

Por Cassia Modena | 26/04/2024 16:35
Prescrição de medicamentos difícil de ler que o MPMS juntou em processo (Foto: Reprodução/MPMS)
Prescrição de medicamentos difícil de ler que o MPMS juntou em processo (Foto: Reprodução/MPMS)

O canal de denúncias e reclamações sobre receitas médicas quase "indecifráveis" ou impossíveis de ler, criado pelo CRF/MS (Conselho Regional de Farmácia em Mato Grosso do Sul), já registrou 196 casos até agora. Os dados foram informados pela instituição nesta quinta-feira (25).

A maior quantidade de denúncias foi recebida no ano passado: 118.

Ele foi criado em 2019, antes da pandemia, e segue ativo. A preocupação da instituição é que prescrições ilegíveis podem levar ao erro na hora da entrega do medicamento, com consequências que vão desde intoxicação com o remédio errado até a morte.

Para fazer o registro, é preciso enviar e-mail para receitailegivel@crfms.org.br ou pelo WhatsApp (67) 9635-6563. Outra opção é enviar fotos da caligrafia nas prescrições diretamente pela plataforma "Prescrição ilegível - Notifique aqui", no site do CRF/MS.

Judiciário - O debate chegou à Justiça em Mato Grosso do Sul. Uma ação tramita há mais de 10 anos pedindo que a rede pública de saúde de Campo Grande substitua o uso da caneta por receitas digitadas no computador e depois impressas. Houve decisão favorável, mas a Prefeitura de Campo Grande ainda recorre.

O MPMS (Ministério Público Estadual) também abriu procedimento para verificar se as prescrições já são digitais na rede pública da Capital e no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul. Para a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) e SES (Secretaria Estadual de Saúde), pede informações sobre a realização de possíveis campanhas educativas a respeito.

Leis - O Conselho Regional da Farmácia reforçou que existe uma lei que exige a prescrição legível no Estado e uma lei federal antiga a respeito.

"A legibilidade das receitas é obrigatória aos médicos há mais de 90 anos, conforme o Decreto Federal nº 20.931 de 1932 e é obrigatória a todas as receitas, como condição para serem aviadas pelas farmácias há mais de 50 anos, de acordo com a Lei Federal nº 5.991 de 1973 (Art. 35)", explica.

A lei estadual é a nº 3.629, de 2008, que obriga a emissão de receitas médicas e odontológicas a serem digitadas em computador e impressas.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.



Nos siga no Google Notícias