A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

01/08/2011 16:33

STF rejeita urgência em ação que tenta anular a demissão de tabeliã

Marta Ferreira

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Cézar Peluso, rejeitou o caráter de urgência na ação movida pela Anoreg(Associação dos Notários e Registradores do Brasil)contra a regra do Regimento Interno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul que permite a destituição de titulares de cartórios. Com isso, vai seguir o trâmite normal o pedido de liminar da Associação para derrubar parte do regulamento e cancelar a decisão que tirou o cartório da tabeliã Joanna Dárc de Paula Almeida, titular até março do 1º Tabelionato de Protesto de Campo Grande.

No despacho, o ministro afirmou não encontrar “situação de urgência que justifique” a atuação do presidente dele no caso, como prevê o Regimento da Corte. Ele afirma que, o item questionado pela Anoreg é de novembro de 2009, mas a ação só foi protocolada em 26 de julho deste ano. “Submetam-se, pois, os autos à oportuna e livre distribuição, nos termos regimentais, que permitirá ao relator sorteado a apreciação do requerimento de liminar”.

A partir dessa decisão, datada do dia 26 e anexada ao processo no dia 28, o sorteio foi feito e o caso ficou sob a responsabilidade do ministro Marco Aurélio Melo, que ainda não se pronunciou sobre o pedido de liminar.

A ação- A Anoreg pediu para que seja derrubado o item que dá poder ao Órgão Especial da Corte para destituir titulares de cartórios. A entidade pede, também, que decisões tomadas com base neste trecho do Regulamento sejam anuladas e cita especificamente o caso envolvendo a tabeliã Joana D´arc de Paula Almeida.

O processo está a cargo do mesmo escritório de advogados que atende a tabeliã, comandado por Evandro Ferreira de Viana Bandeira.

A determinação do TJ que tirou o cartório de Joana D´arc foi em um processo administrativo aberto em 2005, após a tabeliã ser condenada pela Justiça Federal, por evasão de divisas, no valor de R$ 600 mil. Hoje, o titular do cartório é um interventor, uma vez que o Tribunal impediu que o filho de Joanna Dar´c assumisse a titularidade.

Os advogados dela tentam, desde então, derrubar a decisão, mas todos os recursos têm sido negados.

No processo movido no STF, a Anoreg alega que o Regimento do TJ é “flagrantemente inconstitucional”, por violar o princípio da “legalidade, do devido processo legal e da ampla defesa”, previstos na Constituição Federal.

A entidade afirma que, da forma como está, o Regulamento ofende o Código de Organização e Divisão Judiciária do Estado de Mato Grosso do Sul , estabelecido na lei de 1994. Segundo a associação, esse tipo de definição, atribuída ao Órgão Especial, na verdade cabe ao Conselho Superior da Magistratura, que tem competência para “nomear, exonerar, promover, remover, demitir ou aposentar servidores da Justiça”.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions