A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 18 de Agosto de 2018

22/11/2010 13:54

STJ nega HC ao ex-major Sérgio Roberto de Carvalho

Redação

A ministra do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Maria Tereza de Assis Moura negou, no dia 8 deste mês, pedido de liminar em hábeas corpus impetrado pela defesa do ex-major da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul Sérgio Roberto de Carvalho e manteve a prisão preventiva dele em processo no qual é acusado de chefiar uma quadrilha de exploração de jogos de azar. O ex-oficial da PM já foi condenado a 15 anos de prisão por tráfico internacional de drogas, descoberto em 1996 pela Polícia Federal.

O major e 18 pessoas foram denunciados em 15 de maio de 2009. No dia 28 do mesmo mês, o juiz responsável pela Auditoria Militar Estadual da Comarca de Campo Grande decretou a prisão preventiva no dia 28 de maio, considerando presentes os indícios de autoria e materialidade dos crimes.

Ele ficou no Presídio Federal de Segurança Máxima até julho deste ano, quando uma decisão judicial determinou sua transferência para a ala dos ex-policiais do Instituto Penal.

O major é acusado, neste processo, de contrabando ou descaminho, ameaça, concussão, corrupção e denunciação caluniosa.

"Alguns integrantes da organização praticam, em tese, uma série de crimes comuns e militares para, em nome da quadrilha, viabilizar a exploração da aludida atividade ilícita, sendo que todas as decisões eram tomadas pelo chefe da organização, major PM Carvalho", diz um trecho do decreto da prisão.

A defesa já havia impetrado habeas corpus no Judiciário local, mas o Tribunal de Justiça, que negou o HC, no dia 27 de setembro de 2010, alegando constrangimento ilegal por conta da demora na instrução do processo.

O TJ justificou que o único motivo pelo qual a instrução criminal ainda não foi encerrada foi pelo fato de a defesa ter arrolado três testemunhas, asseverando que tais oitivas são imprescindíveis, sendo então expedidas cartas rogatórias para a Bolívia e para a Colômbia

No habeas corpus impetrado no STJ, a defesa alegou que o decreto de prisão está baseado em delitos que não foram imputados na denúncia e, portanto, carece de fundamentação. Sustentou, ainda, que está havendo tratamento processual desigual, pois a prisão foi relaxada para 16 dos acusados.

Negativa - A ministra Maria Thereza de Assis Moura discordou, afirmando não haver manifesta ilegalidade no caso.

A relatora observou que tanto o juiz singular militar quanto o tribunal estadual invocaram elementos concretos para determinar a prisão, para a garantia da ordem pública.

Ao negar a liminar, a ministra ressaltou, ainda, que a questão a ser analisada no pedido confunde-se com o próprio mérito dohabeas corpus, cuja solução demanda análise pormenorizada dos autos e julgamento pelo órgão colegiado.

Após o envio das informações solicitadas pela ministra à Justiça sul-mato-grossense, o processo segue para o Ministério Público Federal, que dará parecer sobre o caso. Em seguida, retorna ao STJ, onde será julgado pela Sexta Turma.

Antes, porém, a relatora deve apreciar pedido de reconsideração apresentado pela defesa.

Último sorteio da Mega-Sena na semana pode pagar até R$ 23 milhões
Neste sábado (18) o último dos três sorteios da semana da “Mega-Sena dos Pais) pode pagar para um ou mais acertadores até R$ 23 milhões. Durante os o...
Gabaritos do Enceja já estão disponíveis no site do Inep
O Ministério da Educação (MEC) divulgou no final da tarde de hoje (17) gabarito oficial do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens...
Capes torna mais rígida avaliação de cursos de pós-graduação
A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) tornou mais rígida a avaliação dos cursos de pós-graduação no país. De acordo c...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions