A notícia da terra a um clique de você.
 
25/08/2019 07:11

Jimbo e Florim, a aventura do dinheiro no Brasil

Mário Sérgio Lorenzetto
Jimbo e Florim, a aventura do dinheiro no Brasil

O Brasil dos portugueses era uma imensa confusão. Nem mesmo o dinheiro escapava. Ao lado de moedas portuguesas e espanholas, circulavam peças de outras procedências, trazidas por invasores e por piratas. O cruzado era a principal moeda portuguesa da época, era popular também no Brasil, ainda que muitos a considerassem "moeda de pasguates" (moeda de idiota). Mas havia muito mais. A lista é longa: réis, contos de réis, vinténs, tostões, dobrões e a branca (uma antiga moeda de prata).

Jimbo e Florim, a aventura do dinheiro no Brasil

O jimbo faz a festa.

Jimbo quer dizer dinheiro. Mas não um tipo comum de dinheiro. Também chamado de "zimbo", era uma pequena concha usada na época como moeda no Congo e em Angola. Os escravos, ao chegarem ao Brasil, encontraram uma concha parecida no litoral da Bahia, o que lhes permitiu manter a tradição ou pelo menos sonhar com o jimbo. Não era considerada tão boa quanto a africana, mas servia. No jimbo de primeira qualidade, catado em Luanda, os traficantes faziam a festa, tiravam um lucro de 600%, já o jimbo brasileiro lhes dava um lucro de 200% por arroba.

Jimbo e Florim, a aventura do dinheiro no Brasil

Uma jeritiba custa um jimbo.

Se alguém quisesse lhe vender a melhor jeritiba ao custo de um jimbo, você compraria? A jeritiba era a cachaça. Ao lado da mandioca, eram os principais produtos de escambo. Tudo custava alguns jimbos, mas era possível comprar uma vaca (importada de Portugal, não existia vaca brasileira) por algumas jeritibas.

Jimbo e Florim, a aventura do dinheiro no Brasil

O escambo predominava.

No Brasil, não só os escravos tinham de improvisar com moedas. Desde o início da colonização, moeda metálica era coisa rara. Nem mesmo Mem de Sá, o governador-geral do Brasil, escapou da falta de moedas. Escreveu para a metrópole informando que, por falta de moeda, seu ordenado estava sendo pago em mercadorias. Os padres também viviam de escambo. O padre José de Anchieta escreveu a Roma que, por falta de moeda, o Colégio de Pernambuco recebera em açúcar uma polpuda doação.

Jimbo e Florim, a aventura do dinheiro no Brasil

O açúcar virou moeda oficial.

Com o tempo, essa rotina de receber algum pagamento em açúcar se institucionalizou. No início do século XVII, cerca de trinta anos depois da carta de Anchieta, o governador do Rio de Janeiro determinou que o açúcar fosse considerado moeda legal, obrigando a todos os negociantes a aceitá-lo. Mas o açúcar não estava sozinho no cumprimento dessa função. De acordo com a região do país, o tabaco, o ferro, o cacau, a baunilha e o cravo, eram consideradas moedas. No Maranhão, na época um Estado que compreendia quase toda a região norte, o dinheiro era o pano de algodão.

Jimbo e Florim, a aventura do dinheiro no Brasil
Jimbo e Florim, a aventura do dinheiro no Brasil

"Reales", a moeda espanhola tomou conta do litoral.

No litoral "monetizado" do país, a moeda que acabou tornando-se popular não era nenhuma portuguesa. Era a espanhola "reales", ou melhor a de "8 reales", também conhecida como "peça de oito". No Brasil, essa moeda que está ligada ao nascimento do dólar norte americano, foi apelidada de "pataca". E foram com esses "reales", também traduzido para "real", que vivemos ao longo dos séculos. Ele, mais adiante, passou a ser chamado de "réis" ou por "mil-réis". Os réis já vinham idosos quando, em 1645, se cunhou a primeira moeda no Brasil. Mas a história do domínio português sobre o Brasil sempre está eivada por alguma piada. A peça que saiu da forma foi um florim holandês. Era uma moeda quadrangular, com um molde arredondado gravado no centro, indicando com pontos o contorno que teria se devidamente recortada. De um lado estava impresso o valor, as letras "GWC", iniciais do nome em holandês da Companhia das Índias Ocidentais, cujas forças ocupavam o nordeste brasileiro desde o início da década anterior. O florim, nome dessa moeda, era válida apenas para o tempo de cerco (moeda obsidional), uma moeda de emergência. Produzida em Pernambuco, pagava o soldo da tropa. O ouro usado para cunhar o florim saiu de um caixote que se encontrava no Recife como mercadoria em trânsito procedente da Guiné. De bagunça em bagunça, fomos moldando as vértebras do país.

imagem transparente
Busca

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.