A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 22 de Junho de 2017


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


19/09/2014 16:59

O custo Brasil e a culpa do consumidor

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

”Poucos percebem que o comportamento do consumidor também tem alto impacto em nossos preços.”Que atire a primeira pedra quem nunca contribuiu para o custo Brasil – aquela ideia de que tudo é mais caro aqui do que lá fora. Na busca por culpados, muito se fala da carga de impostos, da incompetência governamental, do lucro inflado dos empresários, dos juros bancários e da falta de infraestrutura. Tudo isso é verdade. Poucos percebem que o comportamento do consumidor também tem alto impacto em nossos preços.

Para começar, nosso consumo é de má qualidade. A mania de ostentação nos leva a comprar casas que não podemos decorar, carros que não levamos para viagens, smartphones poderosos que não ganham aplicativos úteis. Isso porque o dinheiro não dá para tudo. Pagamos caro pelo hardware e ignoramos que precisamos de verba para o software. Quando esse software é mesmo necessário, sua compra leva as contas ao vermelho.

O custo Brasil surge, nesse caso, da inadimplência dos maus compradores e da escassez de dinheiro resultante do pagamento excessivo de juros sobre crédito de má qualidade. É muita gente cobrindo contas no vermelho, recorrendo a empréstimos pessoais e consumindo crédito que deveria ser usado para criar novos negócios e gerar renda.As pessoas compram menos, a cadeia produtiva vende menos. O crédito que deveria fomentar novos negócios acaba usado para cobrir falhas de planejamento, por isso sai mais caro. Como as vendas são menores, lojistas, produtores e distribuidores precisam trabalhar com margens maiores sobre suas magras vendas, se quiserem cobrir o investimento e o risco de seus negócios.

Outro problema de consumo é a concentração no fim de ano. Em razão do excesso de compras parceladas, os orçamentos das famílias são menos flexíveis e sujeitos a fugir do controle diante de qualquer imprevisto. O cidadão chega em novembro com dívidas acumuladas e ávido pelo 13º, que deveria ser usado para pagar impostos e grandes compromissos de janeiro, mas acaba servindo para quitar dívidas e tirar o atraso no consumo. Como não sabemos esperar, o dinheiro chega no fim de ano e consumimos na mesma época, na onda dos preços inflados – aqueles que garantirão o fechamento do ano do lojista no azul.

semverba para o janeiro caro, o brasileiro, então, parcela tudo e passa o ano sem consumir, acumulando dívidas, pagando juros e torcendo pela chegada do próximo 13o para se sentir aliviado. O custo Brasil surge aí, na estrutura produtiva e de comércio, preparada para o pico de demanda de dezembro e ociosa no resto do ano. Loja vazia, funcionário parado e poucas vendas são custo. O custo Brasil seria bem menor se a sazonalidade de consumo fosse menos extremada e menos endividada. Para fazer isso, a receita começa com menos compras a prazo.

Fonte de Informações: maisdinheiro.com.br/Gustavo Cerbasi
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas conseqüências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen – Criador do portal www.manualinvest.com

4 passos para sair do superendividamento
Toda semana recebemos mensagens de leitores realmente desesperados. Muitos destes que conversam conosco se encontram em uma situação grave de endivid...
Gere mais renda revendendo importados
Uma das formas mais seguras de gerar renda extra ou de iniciar um negócio de sucesso é através de produtos para revender. Isso porque independente do...
Conselhos aos jovens que estão desempregados
Segundo o IBGE, o desemprego entre os jovens é de quase 29%. E não há perspectivas de uma rápida melhora. A nova geração encara desafios que a maiori...
Por que políticas de estímulo geram recessões
A falácia da vidraça quebrada, popularizada por Frédéric Bastiat, continua sendo a metáfora perfeita para mostrar as consequências daquilo que se vê ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions