A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 18 de Novembro de 2018

09/04/2018 09:23

Sul-Mato-Grossense ganha cerveja pensada em seus hábitos e no clima

A bebida, produzida pela fábrica em Campo Grande, vai além da legislação cervejeira e usa mais malte que concorrentes

Post Patrocinado
(Foto: Divulgação)(Foto: Divulgação)

Imagine que você esteja, neste momento, sentado numa mesa de bar tomando aquela cervejinha gelada que você tanto adora. O primeiro pensamento que vem à sua cabeça quando o garçom traz a latinha depois de um dia intenso de trabalho, esbranquiçada de tão gelada, com certeza será o “Eu mereço!”, não é mesmo?

Agora você já parou para pensar no quanto aquela cervejinha ali foi pensada e estudada para que você tirasse o melhor proveito dela? Já imaginou quanto tempo os cervejeiros da fábrica levaram para te entregar um sabor único, que você aprecie, que desce mais que redondo, fazendo você estalar a língua e soltar aquele “Ahhhhh” de satisfação? Pois é! Na hora em que estamos desfrutando da bebida que é a principal paixão do brasileiro, nem pensamos no quanto dá trabalho fazer uma cerveja assim.

Mas é um trabalho que a Cervejaria Campo Grande adora ter, só para ver a sua cara de prazer enquanto degusta a cerveja. E esse prazer tem um nome: MOEMA!

A irmã mais nova da Bamboa 100% malte, produzida pelo Grupo RFK na primeira cervejaria industrial de Campo Grande, acabou de chegar ao mercado depois de um longo processo. Foram mais de dois anos de estudos e testes para produzir a MOEMA: uma cerveja leve, saborosa e que foi pensada, especificamente, para o público de Mato Grosso do Sul. Isso porque os cervejeiros do grupo levaram em consideração o clima, o perfil, os hábitos e o paladar dos nossos consumidores.

E a MOEMA já chega ao mercado surpreendendo o consumidor. Primeiro pela embalagem requintada – uma latinha em cor de cobre e letras douradas que lhe conferem um ar de cerveja Premium e que chama a atenção logo de cara. Depois pelo preço, abaixo da média das concorrentes mais requisitadas, apesar de oferecer um produto de qualidade superior. E por fim por um sabor inigualável.

Aliás é no sabor que a MOEMA deixa para trás algumas das marcas mais consumidas hoje no país. De acordo com a legislação da indústria cervejeira no Brasil, toda cerveja Pilsen deve ter em sua composição, pelo menos, 55% de malte e o restante de cereais não maltados (como milho, arroz, aveia e trigo). Estes cereais são responsáveis pela fermentação da bebida, conferindo a ela teor alcoólico, sabor, aroma e cremosidade. Só que em grande quantidade, também dão à cerveja uma imensa quantidade de açúcares e tornam a bebida meio indigesta.

Foi pensando nisso que a Cervejaria Campo Grande, unidade do Grupo RFK em Mato Grosso do Sul e que também produz a Bamboa 100% Malte (além dos refrigerantes Refriko e do Energético Furioso), decidiu produzir uma cerveja mais leve que sua “irmã”, mas sem perder o aroma e o sabor. Sendo assim, colocou em sua fórmula 75% de malte (20 a mais que o exigido) e o restante em cereais não maltados.

O processo de fabricação é industrial, mas com características artesanais em que a matéria prima tem seleção criteriosa, com maltes e lúpulos importados da Alemanha e Bélgica. Outro ingrediente importante da cerveja é a água, retirada do aquífero guarani e com teor de pureza que dispensa qualquer tratamento químico.

Isso permitiu que a MOEMA fosse uma cerveja leve, saborosa, refrescante, de gosto mais popular sem perder aquele saborzinho que todo amante de cerveja gosta de sentir na bebida. E o melhor: com baixo índice de açúcar e carbo-hidratos e menor efeito de “estufamento” no organismo.

Assim como todo o processo de produção, o nome também foi escolhido com estudo e dedicação. A palavra MOEMA vem da língua tupi e significa “aquela que está adoçando”. E é esse seu propósito: tornar a vida mais doce, mais suave. Também faz uma alusão ao boêmio bairro da zona sul de São Paulo de mesmo nome, tradicional pela vida noturna e pelas diversas cervejarias instaladas ali. A escolha ainda é o resgate de um nome indígena como símbolo de valorização da cultura sul-mato-grossense, das nossas raízes brasileiras, tão renegadas durante séculos.

A MOEMA sai da fábrica de Campo Grande com uma produção de três milhões de latinhas por mês, já esta sendo distribuída para várias regiões do país e tem preço em torno de 20% abaixo do da Bamboa.

Agora, quando você estiver sentado no bar degustando uma saborosa MOEMA, lembre-se de que ela foi feita para este momento especial, foi pensada em você, nos seus hábitos e no seu paladar, afinal ela é “A cerveja que você merece!”.

imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.