ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEXTA  21    CAMPO GRANDE 24º

Direto das Ruas

Erro compromete segunda dose de adolescente vacinada com Coronavac

Cartão de vacinação indica imunização com Coronavac, enquanto carteirinha virtual aponta Pfizer

Por Aletheya Alves | 25/08/2021 19:30
Pai segurando o cartão de vacinação da filha, que consta Coronavac. (Foto: Kísie Ainoã)
Pai segurando o cartão de vacinação da filha, que consta Coronavac. (Foto: Kísie Ainoã)

Sem saber o que fazer, os pais de uma adolescente, de 16 anos, relatam que, após a filha ser vacinada na primeira dose com a Coronavac, não conseguiram dar prosseguimento ao calendário vacinal. Até o momento, apenas a Pfizer foi autorizada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para aplicação em adolescentes acima dos 12 anos no Brasil.

Enquanto o cartão de vacinação impresso indica a imunização com Coronavac, a carteirinha digital da adolescente aponta para a Pfizer. Cabeleireira, Flávia Saffe de Souza Guasso, de 49 anos, conta que a filha foi vacinada no drive-thru do Albano Franco, durante o último dia 2.

“Quando foram aplicar, a moça perguntou se poderia ser Coronavac e eu respondi que vacina a gente não escolhe. A gente não sabia que só a Pfizer estava autorizada para adolescentes, ficamos sabendo na semana passada”, Flávia disse.

Cartão digital da Sesau indica que adolescente foi vacinada com Pfizer. (Foto: Kísie Ainoã)
Cartão digital da Sesau indica que adolescente foi vacinada com Pfizer. (Foto: Kísie Ainoã)

Ainda de acordo com Flávia, no momento em que a vacinação estava sendo registrada no sistema, as funcionárias envolvidas comentaram sobre a confusão, mas ela só se deu conta depois. “Uma falou para a outra “não dá” e a outra respondeu “já dei”. Mas eu não pensei em nada na hora”.

Nesta quarta-feira (25), a adolescente foi até o Guanandizão em busca da segunda dose e, de acordo com o pai, Paulo Roberto Guasso, de 51 anos, a aplicação foi negada. “Falaram que não dava para dar, porque não tinha estudos. Agora, a gente não sabe o que fazer, ninguém deu solução”, explicou.

Paulo Roberto Guasso, de 51 anos, explica que preocupação é não saber o que fazer. (Foto: Kísie Ainoã)
Paulo Roberto Guasso, de 51 anos, explica que preocupação é não saber o que fazer. (Foto: Kísie Ainoã)

Preocupado com a situação, o pai relata que a filha é imunossuprimida e precisa do calendário vacinal completo para retornar às aulas. “De uma maneira ou de outra, vai ser resolvido. Não recebemos orientação, mas ela precisa ser vacinada”.

Em nota, a assessoria da prefeitura de Campo Grande explicou que, devido à adolescente se encaixar no grupo a ser vacinado com Pfizer, a informação a ser considerada é a indicada na carteirinha digital. “A paciente está cadastrada no grupo de adolescentes com comorbidades, que devem tomar a vacina da Pfizer, assim como as demais pessoas entre 12 e 17 anos de idade. Desta forma, deve-se levar em consideração o que está registrado no sistema de controle da prefeitura, que é a vacina da Pfizer.”.

Ainda de acordo com a nota, a orientação é que uma unidade de saúde seja buscada novamente, “para que a equipe faça a conferência da vacina conforme o que foi lançado”.

Direto das Ruas – O vídeo chegou ao Campo Grande News por meio do canal Direto das Ruas, meio de interação do leitor com a redação. Quem tiver flagrantes, sugestões, notícias, áudios, fotos e vídeos pode colaborar no WhatsApp pelo número (67) 99669-9563.

Clique aqui e envie agora uma sugestão.

Para que sua imagem tenha mais qualidade, orientamos que fotos e vídeos sejam feitos com o celular na posição horizontal.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário