ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, DOMINGO  05    CAMPO GRANDE 28º

Direto das Ruas

Mãe denuncia falta de atendimento em UPA e pede ajuda para polícia

Relato é de que administração de soro gerou perda de sangue e equipe da unidade negou atendimento

Por Aletheya Alves | 19/10/2021 17:45
Administração de soro rompeu, gerando perda de sangue. (Foto: Direto das Ruas)
Administração de soro rompeu, gerando perda de sangue. (Foto: Direto das Ruas)

Busca por atendimento durante a madrugada desta terça-feira (19) na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Coronel Antonino gerou uma saga para a vendedora Cindy da Rocha dos Santos, de 27 anos. De acordo com a mãe, os funcionários da unidade se negaram a atender seu filho, de 1 ano e 8 meses, de forma adequada, que só conseguiu uma solução após pedido de ajuda para a polícia.

Denunciando a situação, Cindy explicou que foi até a UPA após seu filho ter episódios frequentes de vômito e diarreia. Já com administração de soro na veia, o sangue do menino começou a retornar, conforme a mãe relatou.

“Chamei os funcionários e eles falaram que era normal, mas eu sabia que não era porque ele tentava tirar o soro do braço, gritando. Tentei falar com o médico, mas ele também disse que era normal”, disse. De acordo com Cindy, a aplicação de soro escapou, gerando maior perda de sangue.

Sem conseguir resolver a situação, a mãe explicou que resolveu procurar atendimento em outra unidade de saúde. “No caminho encontrei uma viatura da polícia e eles me orientaram a ir até a Delegacia. Lá os policiais foram comigo até a Santa Casa e conseguimos atendimento”.

Em nota, a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) negou as acusações. Conforme a secretaria, a mãe foi orientada a aguardar para que o procedimento fosse realizado, mas se recusou a esperar. "Assim o sangue que estava refluindo retornaria com a própria fluidoterapia. Ao não aceitar a recomendação novamente, a própria mãe do paciente retirou o acesso venoso, o que pode ter causado um extravasamento de sangue, por não ter sido feito de forma correta, e deixou a unidade".

Ainda conforme a secretaria, o acesso foi realizado com os equipamentos mais indicados para crianças. " O refluxo do sangue acontece quando o braço fica em uma altura superior à adequada para a administração da fluidoterapia, sendo este "empurrado" novamente com o próprio soro enquanto está sendo ministrado".

Direto das Ruas - A denúncia chegou ao Campo Grande News por meio do canal Direto das Ruas, meio de interação do leitor com a redação. Quem tiver flagrantes, sugestões, notícias, áudios, fotos e vídeos pode colaborar no WhatsApp pelo número (67) 99669-9563.

Clique aqui e envie agora uma sugestão.

Para que sua imagem tenha mais qualidade, orientamos que fotos e vídeos sejam feitos com o celular na posição horizontal.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário