ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, TERÇA  24    CAMPO GRANDE 33º

Direto das Ruas

“Terminal virou ponto”, reclamam leitores sobre fim da integração

Com vários segmentos da cidade voltando, ônibus seguem com as mesmas medidas de contenção

Por Giovana Martini | 22/10/2020 12:14
Por conta da pandemia, medidas foram adotadas pelo consórcio de transporte público. (Foto: Henrique Kawaminami)
Por conta da pandemia, medidas foram adotadas pelo consórcio de transporte público. (Foto: Henrique Kawaminami)

“Queria entender por que o terminal está funcionando como um ponto”, questiona o leitor Peterson Pantaleão, referindo-se as mudanças feitas pelo Consórcio Guaicurus para a contenção do novo coronavírus. Desde abril, os passageiros precisam passar pela catraca toda vez que entram em um ônibus, mesmo dentro do terminal.

A medida gerou reclamação de usuários desde o princípio, porque o prazo que dá direito ao passageiro de usar mais de um ônibus pagando apenas um passe não tem sido suficiente.

A integração serve para que o usuário não precise pagar mais R$ 4,10, caso entre em outro ônibus ou terminal. Antes da pandemia, o prazo para trocar de uma linha para outra era de uma hora, subiu para duas e, mesmo assim, alguns passageiros relatam que, devido à redução de linhas, a demora no trecho demora até 3 horas.

“Pego três ônibus pra ir pro serviço e mais três para voltar, seis no total. Os ônibus estão muito mais lentos, demorando o dobro de tempo pra chegar”, descreve Peterson, dizendo que outro agravante é o "defeito" no cartão. “Gasto 24,60 reais por dia , e eu tenho o cartão recarregável, que dá direito a integração, mas ele não funciona mais”, disse o analista de informática, que afirmou que outros colegas estão passando pelo mesmo problema.

Peterson acompanhou a situação precária de perto, pois desde o começo da pandemia, não foi liberado para fazer homeoffice, tendo de se deslocar para o trabalho todo dia. “Saio do Jardim Aeroporto, vou até o terminal Júlio de Castilho, depois para o Terminal Morenão e então chego no meu trabalho, ali no Bairro Rita Vieira”, descreve.

A maior questão agora, na avaliação dele, é o motivo de restrições quando quase tudo já voltou ao normal na cidade. “Queria saber por que não volta a ser como antes, se já está tudo na cidade voltando ao normal e os funcionários estão trabalhando no terminal também”, questiona o leitor.

Questionado sobre o assunto, o diretor do Consórcio Guaicurus, João Resende, reforçou que “o transporte público está se moldando as medidas adotadas pelas autoridades estatais, a pandemia está decretada, temos que seguir com as medidas de biossegurança. As pessoas estão falando que está “tudo voltando ao normal”, mas não está, é preciso manter os cuidados”.

Ele lembra que as medidas adotadas até agora deram bons resultados. “Com a queda dos casos de Covid em Campo Grande, os números mostram que estamos seguindo pelo caminho certo”.

Sobre passar sempre na catraca e as linhas de ônibus que foram extintas ou alteradas, Rezende declara que “as medidas não são definitivas, estamos sempre nos adaptando a situação, inclusive às reclamações dos passageiros,e a maioria delas ocorre nas linhas mais movimentadas, onde já é esperado”.

Para queixa e dúvidas sobre o transporte público, o consórcio indica que os passageiros entrem em contato pelo fone 3316-6600

Terminal Morenão, com túnel de desinfecção instalado. (Foto: Henrique Kawaminami)
Terminal Morenão, com túnel de desinfecção instalado. (Foto: Henrique Kawaminami)

Direto das Ruas - Quer sugerir uma pauta também? Entre em contato conosco pelo Direto das Ruas, canal de interação do leitor com a redação. Quem tiver flagrantes, sugestões, notícias, áudios, fotos e vídeos pode colaborar no WhatsApp pelo número (67) 99669-9563. Clique aqui e envie agora!

Para que sua imagem tenha mais qualidade, orientamos que fotos e vídeos devem ser feitos com o celular na posição horizontal.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário