ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 23º

Economia

A partir de hoje, Caixa começa a pagar parcela de junho do Auxílio Brasil

Atualmente, 17,5 milhões de famílias são atendidas pelo programa; beneficiários também recebem Auxílio Gás

Por Agência Brasil | 17/06/2022 07:34
Valor mínimo pago ela Caixa é de R$ 400 e datas seguem modelo do Bolsa Família (Foto/Arquivo: Kisie Ainoã)
Valor mínimo pago ela Caixa é de R$ 400 e datas seguem modelo do Bolsa Família (Foto/Arquivo: Kisie Ainoã)

A Caixa começa a pagar hoje (17) a parcela de junho do Auxílio Brasil. Hoje recebem os beneficiários com NIS (Número de Inscrição Social) com final 1. O valor mínimo do benefício é de R$ 400. As datas seguem o modelo do Bolsa Família, que pagava os beneficiários nos dez últimos dias úteis do mês.Campo Grande News - Conteúdo de VerdadeCampo Grande News - Conteúdo de Verdade

O beneficiário poderá consultar informações sobre as datas de pagamento, o valor do benefício e a composição das parcelas em dois aplicativos: Auxílio Brasil, desenvolvido para o programa social, e o aplicativo Caixa Tem, usado para acompanhar as contas poupança digitais do banco.

Atualmente, 17,5 milhões de famílias são atendidas pelo programa. No início do ano, 3 milhões de famílias foram incluídas no Auxílio Brasil.

Auxílio Gás - O benefício também é pago hoje às famílias cadastradas no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal) com NIS final 1. Com valor de R$ 53 em junho, o benefício segue o calendário regular de pagamentos do Auxílio Brasil.

Com duração prevista de cinco anos, o programa beneficiará 5,5 milhões de famílias, até o fim de 2026, com o pagamento de 50% do preço médio do botijão de 13 quilos, conforme valor calculado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) nos últimos seis meses. Pago a cada dois meses, o Auxílio Gás tem orçamento de R$ 1,9 bilhão para este ano.

Só pode fazer parte do programa quem está incluído no CadÚnico e tenha pelo menos um membro da família que receba o BPC (Benefício de Prestação Continuada).

A lei que criou o programa definiu que a mulher responsável pela família terá preferência, assim como mulheres vítimas de violência doméstica.

Nos siga no Google Notícias