A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

05/07/2017 17:10

Agropecuária é o único setor de MS com avanço no emprego, mostra IBGE

Atividade também elevou número de empresas e massa salarial

Osvaldo Júnior
Colheita de soja em Mato Grosso do Sul; atividades rurais empregam mais (Foto: Marcos Ermínio)Colheita de soja em Mato Grosso do Sul; atividades rurais empregam mais (Foto: Marcos Ermínio)

O mercado de trabalho rural apresenta, em Mato Grosso do Sul, melhor desempenho que o das atividades urbanas. É o que mostra o Cempre (Cadastro Central de Empresas), divulgado na tarde desta quarta-feira (dia 5) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Conforme o estudo, o número de trabalhadores na agropecuária cresceu 2,78% de 2014 a 2015, único resultado positivo entre os principais setores produtivos do Estado. A retração dos demais segmentos chega a 16%.

Em 2014, havia 18.257 trabalhadores nas atividades rurais. No ano seguinte, essa quantidade aumentou para 18.766. Mesmo modesta, essa foi a única variação positiva no período entre os principais setores econômicos de Mato Grosso do Sul.

A construção civil perdeu 5.348 postos de trabalho de 2014 a 2015, de acordo com a pesquisa. O número reduziu de 63.935 para 57.664 profissionais, retração de 16,93%. A indústria da transformação diminuiu de 63.935 para 57.664 trabalhadores no mesmo período, queda de 9,8%. Já o mercado de trabalho do comércio sofreu recuo de 1,76%, de 144.113 para 141.574 empregados.

Número de empresas – Outros dados do estudo indicam situação econômica menos crítica nas empresas rurais. A quantidade de estabelecimentos do setor aumentou 6,57% (de 1.262 para 1.345). As unidades empresariais da indústria cresceu 4,15% (de 4.016 para 4.183), da construção civil, 4,11% (de 2.724 para 2.836) e as do comércio, 1,09% (de 27.377 para 27.676).

Salários – Esses números refletiram nos rendimentos dos trabalhadores. A massa salarial (total de remunerações) na agropecuária apresentou, de 2014 a 2015, incremento de 13,24% (de R$ 457,6 milhões para 518,2 milhões).

O comércio e a indústria contabilizaram, respectivamente, variações de 8,46% (de R$ 1,86 bilhão para R$ 2,02 bilhões) e de 0,12% (de R$ 1,298 bilhão para R$ 1,299 bilhão).

A construção civil apresentou o pior resultado em se tratando de remuneração dos trabalhadores. A massa salarial despencou, no período, em 34,22%, de R$ 727,6 milhões para R$ 478,6 milhões.

Agropecuária é o único setor de MS com avanço no emprego, mostra IBGE
Empresas têm até 20 de dezembro para optar pela antecipação do eSocial
Empresas podem optar pela antecipação da implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSoci...
Prazo para regularizar débitos com fisco estadual vence na sexta-feira
Contribuintes que possuem débitos com o fisco estadual têm até sexta-feira (15) para aderirem ao Refis (Programa de Recuperação Fiscal) de Mato Gross...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions