ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, TERÇA  01    CAMPO GRANDE 29º

Economia

Com decreto em vigor, consumidores ainda tem dúvidas sobre CPF na nota

Projeto criado pelo Governo do Estado entrou em vigor ontem (1º); serão distribuídos R$ 300 mil em prêmios

Por Kerolyn Araújo e Danielle Matos | 02/01/2020 11:38
Angela Aparecida tem o costume de pedir o CPF na nota em compras altas. (Foto: Marcos Maluf)
Angela Aparecida tem o costume de pedir o CPF na nota em compras altas. (Foto: Marcos Maluf)

Decreto da Nota MS Premiada, que distribuirá prêmios aos consumidores que cadastrarem o CPF (Cadastro de Pessoa Física) nos cupons ficais, entrou em vigor ontem (1º) em todo o Mato Grosso do Sul, mas ainda deixa os consumidores em dúvidas. Segundo o secretário Estadual de Fazenda, Felipe Matos, a intenção do governo é combater sonegação e melhorar a base de informação do que é vendido e comercializado no Estado.

A dona de casa Adriana Ferreira, 34 anos, não sabia que o decreto está em vigor desde ontem e também tem dúvidas de como o projeto vai funcionar. ''Não sei se vão mesmo entregar prêmios, mas sei que colocando o CPF na nota fiscal aumenta o score", disse. Ainda segundo a dona de casa, ela já tinha o costume de pedir que o número fosse inserido na nota em compras de alto valor, como de supermercado, por exemplo.

A autônoma Angela Aparecida, 45 anos, também tem o costume de pedir CPF na nota apenas em compras acima de R$ 100. Quando o valor é abaixo, ela só insere o número se o atendente oferecer. ''Quando me perguntam se eu quero, coloco. Mas não sei muito bem como vai funcionar o sorteio", disse.

Vera Lúcia Moreira não sabe como vai funcionar o sorteio. (Foto: Marcos Maluf)
Vera Lúcia Moreira não sabe como vai funcionar o sorteio. (Foto: Marcos Maluf)
Marilene Zenaide Silva tem medo de passar o número do CPF. (Foto: Marcos Maluf)
Marilene Zenaide Silva tem medo de passar o número do CPF. (Foto: Marcos Maluf)

Costureira de 41 anos, Vera Lúcia Moreira já tem o hábito de pedir que o número do documento seja inserido nas notas fiscais, mas ainda desacredita sobre o prêmio. ''A compra passou de R$ 10 eu já peço, mas não acredito na premiação", ressaltou.

Em meio a quem desacredita no prêmio, também há quem tem medo de passar o CPF. A auxiliar de limpeza Zenaide Silva, 50 anos, assumiu que não sabia do decreto, mas que não tem o hábito de inserir o documento no cupom. ''Eu sempre recuso porque acho perigoso, tenho medo do documento ser clonado", contou.

Prêmios – O 1º sorteio será na última semana de fevereiro, coincidente com o dia de sorteio da Mega-Sena. A intenção é usar os números nacionais para evitar qualquer dúvida sobre transparência do programa.

A intenção é distribuir cerca de R$ 300 mil por mês para os participantes do programa. Quem acertar os 6 números receberá R$ 100 mil e os vencedores da quina vão dividir os R$ 200 mil restantes.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário