A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Maio de 2019

22/03/2019 09:37

Comerciantes cobram acesso a todas as etapas do Reviva Campo Grande

Lojistas vão reunir-se na segunda com vereadores para discutir estratégias de ação para minimizar prejuízos; negociação é alternativa para evitar ações judiciais

Silvia Frias
Lojistas discutem estratégias para tentar minimizar prejuízos (Foto: Paulo Francis)Lojistas discutem estratégias para tentar minimizar prejuízos (Foto: Paulo Francis)

Os comerciantes da região central querem acesso a todas as etapas do processo que levaram ao contrato do Reviva Campo Grande, orçado em US$ 56 milhões em empréstimo com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento).

O grupo questiona a execução da obra, que teria sido um dos fatores para o fechamento de 1,5 mil empresas em onze meses, a contar de abril de 2018 a março deste ano.

Em reunião ontem à noite, o presidente da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas), Adelaido Luiz Spinosa Vila, falou sobre a estratégia que antecederia qualquer medida judicial por reparação de danos.

Os documentos serão apresentados durante reunião na segunda-feira, 25, na Câmara dos Vereadores. Os comerciantes querem informações sobre negociação, licitação e o contrato firmado. São informações a serem usadas na tentativa de minimizar prejuízos, em estratégia que ainda incluirá reunião com a prefeitura. Caso não dê resultado, está sendo avaliada ação judicial pedindo reparação de danos.

“Caminho jurídico acaba gerando demora de ações, desgaste, tanto da prefeitura quanto do lojista, queremos resolver com um pouco mais de paz e tranquilidade”, diz Vila. Os comerciante pedem, ainda, que sejam feitas campanhas publicitárias para atrair o cliente ao centro da cidade.

Na reunião ontem, cerca de 50 lojistas relataram os problemas decorrentes da crise financeira de 2018 e com a execução da obra do Reviva Campo Grande. A CDL alega que o cronograma discutido com a prefeitura não foi respeitado e que o trabalho prejudicou vários comerciantes. “Tem gente que não tem como pagar aluguel este mês”.

A prefeitura afirmou que tem acompanhado de perto a situação dos comerciantes na região central e procurado estimular as compras na Rua 14 de Julho nesse período de obras. O prazo para conclusão dos serviços é março de 2020, mas a expectativa é entregar a obra até dezembro de 2019, conforme programação do Reviva.



Os comerciantes precisam entender que as pessoas não estão comprando , não por causa das obras do Reviva, mas, porque não tem dinheiro.
A população perdeu renda.
MS tem 100 mil desocupados.
Campo Grande tem 29 mil desocupados.
Fora os trabalhadores que tiveram sua renda diminuida.
Tem que é pressionar o governo para gera empregos. Isso sim.
 
Critico em 22/03/2019 12:23:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions