A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

23/04/2012 15:48

Consumidor deve pesquisar juros e negociar com bancos, defende entidade

Kelly Oliveira, da Agência Brasil

Brasília - Mesmo com a vigência das novas taxas de juros de bancos públicos e privados, anunciadas nos últimos dias, o trabalho do consumidor de pesquisar em busca de melhores condições deve continuar, segundo o diretor da Associação Nacional de Executivos de Finanças (Anefac) Miguel José Ribeiro de Oliveira.

Para Oliveira, as reduções anunciadas recentemente podem ser só o início de um processo de queda mais forte das taxas. Mas, segundo ele, atualmente os bancos oferecem reduções em alguns tipos de financiamento “em que há mais conforto” para as instituições financeiras. Um exemplo é o crédito consignado, mais seguro por ter as parcelas descontadas da folha de pagamento. Esse é um tipo de empréstimo que, em geral, já tinha taxas mais baixas que outras modalidades, destaca Oliveira. No caso do financiamento de carros, segundo ele, para conseguir a taxa mínima é preciso dar entrada de 50% do valor do veículo e financiar o saldo em 12 meses. “Poucos brasileiros conseguem isso”.

Oliveira também lembrou que as taxas anunciadas pelos bancos, geralmente, são somente as mínimas. Mas, na hora de conseguir o empréstimo, o banco vai olhar o histórico de relacionamento e o risco. Assim, a taxa oferecida para cada cliente pode ser diferente da mínima. Por isso, é preciso ficar de olho nas taxas máximas também.

“O cliente tem que ser proativo. Tem que provocar o banco. Isso vale tanto para quem já tem dívida ou quem vai fazer dívida. É preciso questionar o gerente sobre as reduções das taxas. O banco, para não perder cliente, vai reduzir a taxa”, enfatizou.

Uma ferramenta que pode ajudar na hora de pesquisar as taxas para saber o que está sendo cobrado por bancos e financeiras é um ranking divulgado pelo Banco Central (BC). No site ainda não constam os efeitos das novas taxas anunciadas por alguns bancos, mas é possível observar as grandes diferenças entre as instituições. O levantamento mais recente, feito entre os dias 3 e 10 deste mês, com 90 bancos, mostra que as taxas para o crédito pessoal (incluídas operações consignadas em folha), por exemplo, vão de 1,01% a 18,78% ao mês.

No caso do financiamento de veículos, pesquisa com 46 bancos mostra que a taxa mensal vai de 0,67% a 4,72%. Para o cheque especial (29 instituições), a variação é de 1,88% a 10,34%. Para a compra de bens (38 instituições), de 0,51% para 7,5%.

Procon da Capital abre campanha para orientar comércio e consumidor no Natal
O Procon (Subsecretaria de Proteção e Defesa do Consumidor) de Campo Grande dá início nesta segunda-feira (18) a uma semana de orientação e atendimen...
Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions