ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SEGUNDA  01    CAMPO GRANDE 19º

Economia

Dólar alto segura resultado da balança comercial que tem superávit no Estado

Vendas de celulose, soja e milho caíram no mês passado e derrubaram as exportações no 1º trimestre do ano

Por Rosana Siqueira | 06/04/2020 15:51
Vendas de carne bovina mantiveram a força no mês de março e seguraram resultado. (Arquivo)
Vendas de carne bovina mantiveram a força no mês de março e seguraram resultado. (Arquivo)

O dólar em alta ajudou a segurar o resultado da balança comercial de Mato Grosso do Sul que fechou março com um superávit de US$ 493 milhões. Mesmo assim o desempenho das vendas externas sul-mato-grossenses no primeiro trimestre de 2020 foi 23,26% inferior ao verificado de janeiro a março de 2019.

 A taxa de câmbio favorável ajudou a amenizar os efeitos desfavoráveis à exportação diante dos efeitos do novo coronavírus na economia mundial. Pela tendência verificada em relação a 2019, há uma estabilidade das exportações mesmo com queda nos dois principais produtos de exportação: a celulose recuou 39% e a soja em grão teve queda de 19,47%. O maior recuo no período, de 62,34%, foi registrado pelo milho em grão.

Os principais produtos exportados no mês passado foram a celulose, soja, carne bovina, carne de aves e milho e ainda destaques positivos para o minério de ferro, algodão e açúcar. Os dados constam da Carta de Conjuntura do Setor Externo, publicada hoje (6) pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

Para o secretário Jaime Verruck, da Semagro, “esse cenário pega o início do coronavírus no Brasil e uma situação bem diferente em relação à China. No atual momento, os chineses têm buscado uma recomposição de estoques. Continuamos monitorando as operações. Neste período de vigência das medidas para combater o novo coronavírus, o foco da Semagro tem sido o de estimular a adoção de protocolos de segurança para manter o nível de produção e o emprego na indústria e garantir o fluxo logístico interno de carga e também de embarque nos portos. A queda na celulose, por exemplo, ocorreu exclusivamente por um travamento da carga, que não conseguiu ser embarcada para a China”.

Destaque - As exportações de carnes seguem em alta, com acréscimo de 9,31% e as de carne de aves, 42,08%, em relação ao primeiro trimestre de 2019. O minério de ferro permanece em alta com aumento de 54,79% em termos de valor. Outros bons resultados foram registrados com o açúcar, que teve crescimento de 47,77% e com o algodão, que elevou suas exportações em 167,06% no período, ainda resultado do desempenho da safra no ano passado.

Em relação aos produtos importados, Mato Grosso do Sul continuou com uma pauta concentrada na importação de gás boliviano, representando 58,27% da pauta de importações no primeiro trimestre de 2020. Em termos de volume do gás, houve aumento de 3,19% no período, em relação a janeiro-março de 2019.

O principal destino das exportações continua sendo a China, representando no primeiro trimestre de 2020 cerca de 45,28% do valor total das vendas para o exterior feitas por Mato Grosso do Sul. Os países com maior aumento na participação foram: Coréia do Sul (222,32%) e Japão (87,98%). A maior queda foi registrada para os Estados Unidos, com baixa de 68,43% nas exportações em relação o janeiro a março de 2019.

“Observamos com cautela o mercado da carne. Houve uma alta nas exportações mas a situação no cenário interno requer atenção. Também estamos monitorando a relação da China com os EUA e mantendo a questão da logística e do funcionamento interno da agroindústria do Estado para obter um resultado diferente nos próximos meses”, finalizou Jaime Verruck.