ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 24º

Economia

Empresários da construção comemoram fôlego com novo financiamento imobiliário

Agora quem quiser financiar um imóvel terá 6 meses para começar a pagar as prestações

Rosana Siqueira | 09/04/2020 17:28
Medidas da Caixa vão ajudar a manter empregos na construção civil (Paulo Francis)
Medidas da Caixa vão ajudar a manter empregos na construção civil (Paulo Francis)

Os empresários da construção civil comemoraram hoje as novas medidas para o mercado de crédito imobiliário anunciadas pela Caixa, como carência para novos financiamentos, aumento do tempo de pausa nos contratos e renegociação de dívidas, tanto para pessoas físicas quanto para as construtoras.

No total, as ações representam R$ 43 bilhões em recursos no mercado imobiliário nos próximos meses. As medidas serão válidas a partir da próxima segunda-feira (13) e quem quiser financiar imóvel terá 6 meses para começar a pagar.

O presidente da Acomasul (Associação dos Pequenos Construtores de MS) Adão Castilho disse que as medidas foram muito positivas. “Vimos com bons olhos o pacote da Caixa. Ele dá condições da construção manter os empregos e estes 90 dias, três meses nos quais estão facilitando para o empresário da construção e também para os consumidores que adquiriram o imóvel. Dá mais tempo de pagamento para quem tem parcela em atraso”, avaliou.

Ele destaca que o segmento da construção é muito importante na economia. “O setor emprega e desemprega do dia para a noite. Por isso a preocupação do Governo em manter milhões milhares de empregos na construção. São mais de 60 mil empregos diretos e indiretos no MS. Isso sem contar a movimentação de compras no comércio local. Nós como pequenos empresários queremos comprar aqui. Somos nós que fazemos a circulação de dinheiro nas lojas”, frisou lembrando que o pacote dará mais fôlego para a construção.

Além do pacote para habitação Castilho reforça a importância adas medidas econômicas de apoio aos demais segmentos da economia. “Temos pacotes de ajuda aos demais setores. Isso é essencial por que a economia tem que estar boa. De nada adianta manter empregos agora e depois ter que demitir. Com certeza o projeto é bem vindo e queira deus que daqui 90 dias possamos reencaminhar na construção civil”, salientou.

 “Temos queda de 50% nas projeções de vendas e vamos seguindo o que determinam as autoridades por meio de dos decretos. São preocupações de segurança com os canteiros de obras com a saúde dos colaboradores para que juntos não tenhamos problema, evitando principalmente o caos social. Por isso as medidas são muito bem vindas e esperamos retornar logo à normalidade”, finalizou.

Empregos -  O presidente do Secovi (Sindicato da Habitação de MS) Marcos Augusto Netto também comemora as medidas de apoio a setor. “Muito positivo o pacote. Isso evitará que as pessoas não percam seus contratos, não tenham problema na habitação que é a base de todo o trabalho de evitar que a pandemia se espalhe. Porque é justamente nas casas que o trabalho de isolamento é feito”, frisou.

Ele lembra que a flexibilização da Caixa em relação aos contratos habitacionais já vem ocorrendo há algum tempo. “Ultimamente a Caixa mudou a postura radical, hoje negocia joga o saldo para frente, e faz isso de forma mais acentuada garantindo mais segurança ao mutuário”, sinalizou.

Com relação com as construtoras a Caixa deu carência boa para os contratos o que ajuda o setor a manter a empregabilidade. “Você observa que a grande preocupação da Caixa  do Governo é que não haja desemprego. Então se a construtora puder sacar 20% do contrato da obra antes de iniciar, isso tem o objetivo claro de evitar demissões”, concluiu Netto.

Já o presidente do Sinduscon-MS (Sindicato das Indústrias da Construção de MS) Amarildo Melo destacou que as medidas são favoráveis. “Isso ajuda o inadimplente e favorece a construtora que pode ter mais segurança. São medidas que melhoram o setor são corretas neste momento. O Governo precisava dar apoio a construção para as empresas que estão com fluxo baixo em função do processo passar pela crise sem demitir” , argumentou.

Nos siga no Google Notícias