A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017

02/03/2015 09:07

Energia elétrica fica 27,9% mais cara a partir de hoje em Mato Grosso do Sul

Liana Feitosa
Energia fica mais cara a partir de ainda hoje e, em abril, subirá novamente. (Foto: Marcos Ermínio)Energia fica mais cara a partir de ainda hoje e, em abril, subirá novamente. (Foto: Marcos Ermínio)

A partir desta segunda-feira (2) o consumidor sul-mato-grossense vai pagar mais caro pela energia elétrica. O reajuste de 27,9%, em média, foi aprovado pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) na última quinta-feira (27). Para o setor de indústrias, a variação média é ainda maior: 31,27%.

O aumento passa a valer devido a um processo comum de revisão e atualização de tarifas, a RTE (Revisão Tarifária Extraordinária). A ideia é considerar o novo patamar de custos das distribuidoras e equalizar gastos e recebimentos.

Em outras palavras, a ação evita prejuízos às receitas das empresas de energia por meio de repasse de gastos ao consumidor. Em abril, haverá ainda aumento anual definido pelas distribuidoras.

Segundo a Energisa, concessionária de energia responsável pela maior parte da distribuição em Mato Grosso do Sul, a não revisão desses valores gera risco de inadimplência generalizada no setor, com consequências extremamente graves para todo o sistema e impactos para a manutenção dos investimentos e qualidade do serviço prestado.

Além disso, a revisão tarifária extraordinária foi necessária devido ao cenário crítico vivido pelo setor elétrico nos últimos dois anos. A crise hídrica tem levado o governo a recorrer às usinas térmicas para complementar o fornecimento de energia elétrica. O problema é que as termelétricas são fonte mais cara de energia do que as hidrelétricas. Por isso, o preço médio da energia tem encarecido.

Prejuízo - Entretanto, para o presidente da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul), Sérgio Longen, o aumento na conta de luz, do consumidor doméstico e das indústrias, é uma medida recessiva e abusiva.

“O Governo Federal sinaliza que fará cortes nas despesas, mas opta pela elevação de impostos dia após dia. O discurso de ajuste fiscal não é nada mais do que um engodo para praticar o aumento de taxas e tarifas e, dessa forma, cobrir os gastos públicos. O governo da presidente Dilma está na contramão dos países desenvolvidos”, criticou Longen nesta sexta-feira (27).

Agências do BB abrirão uma hora mais cedo para saques do Pasep
As pessoas com mais de 70 anos beneficiadas com o saque das cotas do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) poderão ir mais c...
Águas Guariroba consta pela 2ª vez entre 150 melhores para se trabalhar no País
Pela segunda vez, a concessionária Águas Guariroba, responsável pelo saneamento básico em Campo Grande, está relacionada entre as 150 melhores  empre...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions