A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2019

29/05/2018 21:46

Falta de ração em granjas por conta de interdições resulta até em canibalismo

Cerca de 25 mil porcos também deixaram de embarcar para os frigoríficos e a associação estima um prejuízo de R$ 30 milhões à categoria.

Adriano Fernandes
Mato Grosso do Sul possui cerca de 300 mil animais na fase de engorda, que estão deixando de ganhar cerca de um quilo por dia. (Foto: Arquivo) Mato Grosso do Sul possui cerca de 300 mil animais na fase de engorda, que estão deixando de ganhar cerca de um quilo por dia. (Foto: Arquivo)

A entrega de ração nas fazendas de criação de porcos para abate, paralisada desde o início das interdições de caminhoneiros em rodovias no Estado, tem resultado em mortes e até canibalismo entre os animais.

Além da perda de peso, os suínos estariam mordendo, uns aos outros, principalmente no rabo e orelhas, para suprir a falta de alimento. Cerca de 25 mil porcos também deixaram de embarcar para os frigoríficos e a Asumas (Associação Sul-matogrossense dos Suinocultores) já estima um prejuízo de R$ 30 milhões à categoria.

A situação foi tema de reunião com o presidente da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck.
Uma das reivindicações da associação, durante o encontro, foi a solicitação de escolta aos caminhões que trazem ração e outro insumos às fazendas.

“Nossas granjas já não possuem ração e a região de Dourados é uma das mais impactadas. As granjas que ainda conseguem acesso à comida pra os animais, estão disponibilizando apenas milho triturado. Isso é insuficiente”, comentou o presidente da Asumas, Celso Philippi Júnior.

Os pontos de paralisação que impedem os abates de suínos na região de Dourados, segundo a Asumas, estão em Fátima do Sul, Dourados (quatro pontos), Itaporã e Laguna Carapã. “Buscaremos reforços para escoltar caminhoneiros, pelo menos nas áreas estratégicas, que dão acesso aos frigoríficos e granjas, diminuindo o impacto da situação, que reforçamos, é bastante grave”, comentou Verruck.

Ainda de acordo com a Asumas, Mato Grosso do Sul possui cerca de 300 mil animais na fase de engorda, que estão deixando de ganhar cerca de um quilo por dia. O prejuízo é de 300 toneladas de suínos diariamente.

Também participaram da reunião representantes da Famasul, das indústrias, suinocultores de Dourados e região, e da Associação de Avicultores de MS (Avimasul), categoria que sofre a mesma situação. Cerca de 2,3 milhões de aves deixaram de embarcar para os frigoríficos até esta terça-feira (29).

Falta de ração em granjas por conta de interdições resulta até em canibalismo
Idade para aposentadoria pode subir de acordo com expectativa de vida
A idade mínima para a aposentadoria poderá subir em 2024 e depois disso, a cada quatro anos, de acordo com a expectativa de vida dos brasileiros. Se ...
Após reforma, trabalhador poderá optar pelo regime de capitalização
Os trabalhadores que ingressarem no mercado de trabalho após a aprovação da reforma da Previdência poderão aderir a um regime de capitalização. Essa ...
Empresas deixarão de recolher FGTS de empregados aposentados
Os empregados aposentados que voltarem a trabalhar não terão o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) recolhido pelo empregador. A mudança cons...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions