ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SÁBADO  20    CAMPO GRANDE 28º

Economia

Incra nega recurso da Paper por fábrica de celulose em Três Lagoas

Em dezembro, o Incra concluiu que a compra deveria ter sido aprovada pelo Congresso Nacional e pelo instituto

Por Lucia Morel | 23/02/2024 15:43
Fábrica de celulose em disputa fica localizada no município de Três Lagoas. (Foto: Divulgação)
Fábrica de celulose em disputa fica localizada no município de Três Lagoas. (Foto: Divulgação)

Recurso da Paper Excellence foi negado novamente pelo Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em Mato Grosso do Sul. A multinacional tenta, desde 2017, quando pagou à Eldorado Brasil Celulose, R$ 3,7 bilhões, pela planta localizada em Três Lagoas, a 327 Km de Campo Grande, controlar a empresa. Questionamentos judiciais e o Incra, entretanto, entendem que a Paper não tem direito sobre a fábrica.

Informações da Folha de São Paulo sobre o processo que corre administrativamente no instituto, diz que os técnicos do Incra, ainda em dezembro, concluíram que o contrato de aquisição da Eldorado presumia a posse de terras e arrendamentos de imóveis rurais por estrangeiros, o que exige autorização prévia do Congresso Nacional e também do instituto.

A empresa brasileira, controlada pela J&F Investimentos, vendeu 49,5% ao grupo indonésio em 2017, com promessa de venda do restante das ações, transação que envolveria R$ 15 bilhões. Entretanto mudou de opinião e, com isso, desencadeou-se uma guerra jurídica que vinha favorecendo a sócia.

Primeiro, a J&F saiu derrotada em um julgamento de arbitragem. O caso foi levado para a Justiça comum, com sentenças igualmente desfavoráveis, que agora teriam análise retomada em turma recursal do TJSP, já com dois votos favoráveis à sócia estrangeira.

Entretanto, em janeiro deste ano, o ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Mauro Campbell Marques concedeu uma medida cautelar em favor da J&F Investimentos para suspender o julgamento de duas apelações que deveriam ocorrer no TJSP (Tribunal de Justiça de São Paulo) sobre a briga que o grupo empresarial brasileiro trava há anos com o sócio estrangeiro.

Nela, a J&F alegou é que havia decisão superior suspendendo a tramitação das ações quando elas foram sentenciadas e, portanto, haveria uma situação de nulidade, hipótese que foi considerada na liminar concedida pelo ministro.

O imbróglio, entretanto, não parece que terá fim tão cedo, já que além do processo no TJSP e internamente no Incra, há ainda ação civil do Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul em Três Lagoas sobre o caso.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias