ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, TERÇA  13    CAMPO GRANDE 29º

Economia

IRPF: 5% dos contribuintes de MS prestaram contas com o leão na primeira semana

Receita Federal espera que 470 mil declarações sejam enviadas até o final do prazo em todo o Estado

Por Jhefferson Gamarra | 05/03/2021 14:14
O período de entrega das declarações segue até o dia 30 de abril (Foto: Divulgação)
O período de entrega das declarações segue até o dia 30 de abril (Foto: Divulgação)

Até às 11h desta sexta-feira (05), a Receita Federal em Mato Grosso do Sul recebeu 25.469 declarações do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). A expectativa é de que, somente no estado, 470 mil declarações sejam enviadas até o final do prazo. O período de entrega vai até o dia 30 de abril

A entrega é obrigatória para quem recebeu acima de R$ 28.559,70 em rendimentos tributáveis em 2020. Isso equivale a um salário acima de R$ 1.903,98, incluído o décimo terceiro. Até o momento, os contribuintes de Campo Grande lideram o número de declarações envidadas com 11.597, seguido de Dourados, com 1.894; Três Lagoas, 1.565, e Corumbá, 1.275 declarações.

As restituições deixaram de ser pagas em sete lotes e mudaram para cinco. O primeiro lote de restituição do IR será liberado no dia 31 de maio, enquanto o segundo no dia 30 de junho. O terceiro no dia 30 de julho, o quarto no dia 31 de agosto e, por último, o quinto ficou para o dia 30 de setembro.

“É sempre bom saber que, quem declara primeiro, tem a chance de estar nos primeiros lotes. O primeiro lote, no entanto, traz restituições de idosos e pessoas com deficiência, em obediência à legislação”, explica o delegado da Receita Federal em Campo Grande, Edson Ishikawa.

Em todo o país foram entregues 1,8 milhão de documentos, de um total de 32 milhões esperados.

Auxilio emergencial - Os contribuintes que receberam rendimentos tributáveis superiores a R$ 22.847,76 em 2020, além do auxílio emergencial, terão que devolver o benefício, por meio do Documento de Arrecadação de Receitas Fedeerais (Darf). Estima-se que cerca de 3 milhões de declarações em nível nacional possua algum tipo de devolução a ser feita.

“Quem estiver nessa situação terá que devolver o valor recebido porque o auxílio foi para grupos de pessoas vulneráveis, sem renda, durante a pandemia”, avisa o Edson Ishikawa .

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário