ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, TERÇA  26    CAMPO GRANDE 24º

Economia

Para evitar importação, Senar incentiva cultivo diversificado em MS

Por Vinícius Squinelo | 02/12/2013 20:30

O Brasil é o maior produtor de maracujá do mundo, mas Mato Grosso do Sul precisa importar de outros estados para atender a demanda local. Segundo o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, falta oferta no mercado. Para incentivar o cultivo da fruta, o Senar/MS oferece em Coxim, dos dias 3 a 6 de dezembro, a capacitação ‘Plantio e manejo básico de pomar – cultivo de maracujá’. Com este curso, o Senar/MS já capacitou 83 produtores sul-mato-grossenses em 2013.

"O mercado é firme e não falta demanda”, enfatiza o engenheiro agrônomo e instrutor do Senar, Carlos Alberto Salgueiro. “Em três colheitas, que duram de nove meses a um ano cada uma, o produtor pode arcar com todas os investimentos feitos”, afirma Salgueiro, referindo-se ao retorno financeiro do cultivo da fruto. “O curso do Senar contribuiu para o aumento da produção de maracujá em Mato Grosso do Sul. O cultivo, que antes era muito limitado, expandiu para várias regiões e hoje temos muitos produtores trabalhando de forma empresarial com o produto”, assinala Salgueiro.

O maracujá pode ser vendido in natura, principalmente para grandes mercados. O produtor tem ainda a alternativa de congelar a polpa da fruta e comercializá-la pelo dobro do preço. Para começar o negócio, é preciso investir em mudas, adubação, defensivos agrícolas, mão-de-obra, irrigação e na construção de um estaleiro para suporte das trepadeiras.

O curso traz considerações gerais sobre o cultivo de frutíferas. Para o plantio do maracujá azedo, variedade específica da capacitação, serão abordados cuidados na escolha da área, espaçamento, demarcação, correção, adubação, seleção de mudas e tratos culturais como a poda. Aspectos econômicos do maracujá também serão apresentados na capacitação. Na semana de 3 a 6 de dezembro, o Senar oferece 70 cursos em Mato Grosso do Sul. Conheça as ações da entidade por meio do site www.senarms.org.br, ou ligue no 3320-9700.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário