A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

06/02/2015 14:30

Preços do feijão e da batata disparam e cesta tem a 5ª maior alta no País

Priscilla Peres e Liana Feitosa
Feijão foi o produto que mais subiu em janeiro, ficando 70% mais caro. (Foto: Marcelo Calazans)Feijão foi o produto que mais subiu em janeiro, ficando 70% mais caro. (Foto: Marcelo Calazans)
Batata, um dos itens mais consumidos, está 46% mais caro. (Foto: Marcelo Calazans)Batata, um dos itens mais consumidos, está 46% mais caro. (Foto: Marcelo Calazans)

A cesta básica para os campo-grandenses subiu 6,90% em janeiro, R$ 21,26 mais caro que em dezembro do ano passado. A batata e o feijão foram os produtos que mais encareceram a variação, com aumentos de 70% e 46% respectivamente, segundo dados do Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos).

De acordo com a pesquisa a cesta básica de Campo Grande tem a 5° maior variação percentual entre as capitais, e em reais, a Capital tem a 9° maior variação. Em um ano, os consumidores tiveram que desembolsar R$ 41,01 a mais, passando de R$ 288,57 para os atuais R$ 329,58.

Dentro os 13 itens pesquisados, sete tiveram aumento de preço, com valores expressivos. Batata (70,52%), feijão (46,21%), tomate (15,18%), açúcar (2,50%), pão francês (2,06%), carne bovina (1,56%) e óleo de soja (1,53%) subiram. Enquanto que os produtores que ficaram mais barato são, farinha de trigo (6,06%), leite (4,63%), banana nanica (4,52%), café em pó (1,47%), manteiga (0,53%) e arroz (0,45%).

Para driblar o aumento nos itens da cesta básica, a aposentada Maria Fernandes recorre a alternativas para economizar. "Procuro por uma carne de segunda, dou preferência ao frango, substituo o tomate por extrato de tomate, se não houver restrição alimentar e a batata, por exemplo, posso substituir por mandioca", sugere.
"Enfim, vou driblando os preços e, claro, ao chegar em casa, cuido do armazenamento dos produtos. Tem que guardar tudo devidamente senão o desperdício acontece dentro da própria casa", alerta a aposentada.

Já a professora universitária Inês Souza afirma que é importante recorrer a alternativas mais econômicas para conseguir chegar ao final de cada mês. "O jeito é adaptar, substituir e deixar extravagâncias para momentos mais raros", completa.

Salário necessário - Todos os meses o Dieese estima o valor mínimo necessário para atender as despesas básicas e alimentar uma família. No primeiro mês de 2015, chegou-se a conclusão que é preciso R$ 3.118,62, valor R$ 143,07 maior que em dezembro do ano passado.

Já que para alimentar uma família de quatro pessoas, o valor da cesta básica chega a R$ 988,74, aumento de R$ 63,78 em relação a dezembro. Em Janeiro de 2014, a cesta básica para esta mesma família custou R$ 865,71, representando 1,20 o valor do salário mínimo bruto do período (R$ 724,00).

Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
Consumidor terá 30 dias para contratar serviço de esgoto antes de ser multado
Será apresentado às 9h de segunda-feira (18) um termo de parceria entre o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions