A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

14/04/2012 16:23

Redução dos juros refletirá até sobre taxas de serviços bancários, diz economista

Marta Ferreira

Brasília – A redução dos juros bancários, estratégia dos bancos públicos para aumentar a base de clientes, deve gerar uma concorrência “sem volta”, e os bancos privados terão de fazer alguma coisa para reduzir custos e segurar seus correntistas. A afirmação é do economista Mário Rodrigues, diretor do Instituto Brasileiro de Vendas (IBVendas) e consultor da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Em entrevista à Agência Brasil, Rodrigues disse que a redução de taxas lideradas pelo Banco do Brasil e pela Caixa Econômica Federal dá novo desenho a um mercado cada vez mais competitivo, no qual os consumidores pressionam por melhores oportunidades de investimento. “Isso incentiva a concorrência e, com certeza, haverá mais competição, com cada banco oferecendo vantagens.”

Para ele, uma das vantagens adicionais, em decorrência da própria competitividade do sistema financeiro nacional, pode vir a ser, mais à frente, a redução ou até mesmo isenção das atuais taxas cobradas pelos serviços bancários. [As taxas] “têm um peso ainda não percebido pelo consumidor em geral, mas, quando se incentiva de fato a concorrência, custos menores dos serviços passam a fazer a diferença.”

Rodrigues acredita que o novo cenário concorrencial exigirá que as instituições financeiras, em vez de onerar os usuários, apresentem vantagens e criem programas de capacitação de pessoal para conquistar e fidelizar clientes através de produtos rentáveis. Os bancos terão ainda que criar planos de benefícios exclusivos para atrair clientes, caso contrário, começarão a perder espaço no mercado, disse ele.

De acordo com o economista, os investimentos recentes em automatização dos serviços afastaram clientes das agências, tornando o relacionamento bancário impessoal e mecânico. Isso gerou, porém, insatisfação para um tipo de cliente que reclama, inclusive, do fato de sequer conhecer o gerente de sua conta. Para Rodrigues, seria interessante “chamar” essa pessoa para dentro da agência, dando-lhe atenção especial, o que ajudaria a fidelizar o cliente.

Edição: Nádia Franco

Procon da Capital abre campanha para orientar comércio e consumidor no Natal
O Procon (Subsecretaria de Proteção e Defesa do Consumidor) de Campo Grande dá início nesta segunda-feira (18) a uma semana de orientação e atendimen...
Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions