A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

08/08/2013 09:14

Serasa deve excluir nome de quem quitou dívida do banco de dados

Edivaldo Bitencourt

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve pontos da sentença do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul em que obriga o Serasa a excluir, do banco de dados, os nomes de consumidores com débitos já pagos ou prescritos. Também não poderá manter no cadastro a relação das pessoas com débitos há mais de cinco anos.

A decisão é da 4ª Turma do STJ, que reformou, parcialmente, sentença em ação civil pública, contra o Serasa, do Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul. A partir de agora, o órgão também fica proibida de fornecer qualquer informação que possa impedir ou dificultar o acesso ao crédito aos devedores que estão com débitos pagos, prescritos ou vencidos há mais de cinco anos.

O Serasa deve comunicar por escrito ao consumidor sua inscrição em qualquer cadastro, inclusive aos que já constam em seus banco de dados. Também deve ser notificada a negativação por emissão de cheque sem fundos. Isso porque, diferentemente dos cadastros públicos, dados obtidos no Banco Central são de acesso restrito.

A empresa tem obrigação de retirar de seu cadastro o nome do consumidor que comprovar diretamente ao Serasa a existência de erro ou inexatidão sobre dado informado, independentemente de manifestação dos credores.

Entre as condenações suspensas estão a exigibilidade de documento formal de seus clientes (bancos, lojas, empresas e outros) que ateste a existência aparente de dívida ou informação restritivas. O relator, ministro Luis Felipe Salomão, destacou que a jurisprudência do STJ é no sentido de que aos bancos de dados e cadastros de inadimplentes cabe apenas a anotação das informações passadas pelos credores, não sendo de sua alçada a confirmação dos dados fornecidos.

“O banco de dados responde pela notificação e pela inserção do nome do devedor no cadastro, não cabendo a eles a confirmação de tais dados”, afirmou Salomão.

O Serasa também não precisa notificar o devedor acerca de informações pertencentes a cartórios de protesto de títulos e de distribuição judicial, mesmo quando não possuir os endereços dos inadimplentes cadastrados. Nesse caso, o STJ avalia que esses são bancos de dados são públicos, de forma que a informação sobre a inadimplência é notória, o que afasta o dever de notificação.

Também foi afastada a exclusão obrigatória de anotação/suspensão oriunda de débito que está sendo discutido em juízo. A jurisprudência do STJ estabelece que a simples discussão judicial da dívida não é suficiente para impedir ou remover a negativação do devedor nos bancos de dados.

Por fim, a Turma decidiu que não é necessário notificar o consumidor de inscrição no cadastro de devedores por meio de carta registrada com aviso de recebimento (AR). Em julgamento de recurso sob o rito dos repetitivos (artigo 543-C do Código Civil), o STJ decidiu que basta o envio de correspondência dirigida ao endereço fornecido pelo credor para notificar o consumidor, sendo desnecessário aviso de recebimento.



Veja isso. adriete
 
adriete jaco em 08/08/2013 13:19:11
Os bancos não tiram essas informações do Serasa e sim do SISBACEN que é um sistema do Banco Central. Significa que quem teve dividas baixadas ou prescritas continuará sem
créditos no sistema financeiro.
 
nivaldo de almeida sabino em 08/08/2013 09:44:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions