A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

18/09/2011 13:05

Suspeita de focos de febre aftosa leva técnico de MS ao Paraguai

Edmir Conceição

Secretária de Produção diz que Estado foi informado e não há preocupação porque a região onde estaria circulando vírus não faz fronteira com o Estado.

Cidades de MS mais próximas da área onde há suspeita de aftosa são Iguatemi e Amambai. (Foto: Reprodução)Cidades de MS mais próximas da área onde há suspeita de aftosa são Iguatemi e Amambai. (Foto: Reprodução)

A suspeita de focos de febre aftosa no Departamento de San Pedro, que cobre parte das regiões Norte e Oeste do Paraguai, levou autoridades de defesa agropecuária a formarem um pool de inspeção formado por cinco países – Brasil, Argentina, Bolívia, Chile e o próprio Paraguai.

Do Brasil foi designado um técnico da SFA - Superintendência Federal de Agricultura. Ele segue nesta segunda-feira, 19, ao Paraguai para se juntar a outros técnicos dos países vizinhos.

A Cosalfa (Comissão Sulamericana para a Luta Contra a Febre Aftosa), formada por 11 países, também deve acompanhar a inspeção naquela região do Paraguai e colocar sua estrutura de serviços veterinários à disposição das autoridades paraguaias.

A secretária de Produção e Desenvolvimento Agrário de Mato Grosso do Sul, Tereza Cristina Corrêa da Costa, disse ao Campo Grande News que o governo do Estado foi informado da situação, que ‘é de absoluto controle’ e não há razão para preocupação porque a região onde há suspeita de circulação do vírus não faz fronteira com o Estado.

O Departamento de São Pedro, no entanto, faz divisa com o Departamento de Amambay, que faz fronteira com Mato Grosso do Sul. O local da inspeção fica a pouco mais de 130 quilômetros dessa linha internacional com o Brasil. Os municípios mais próximos são Amambai e Iguatemi. “Se nos solicitarem apoio técnico estamos preparados”, disse a secretária de Produção. Segundo ela, por ser um trabalho de cooperação internacional, o caso é acompanhado pelo Ministério da Agricultura e funcionários do Itamaraty.

Região de prováveis focos - O Departamento de San Pedro tem população de aproximadamente 360 mil habitantes. É o segundo produtor de carne do Paraguai. Faz divisa ao Norte com o Departamento de Concepcion, Caaguazú ao Sul, Canindeyú ao Leste, com Presidente Hayes a Oeste e com o Departamento de Amambay no Nordeste (veja mapa).

Secretária de Produção e Desenvolvimento Agrário de Mato Grosso do Sul, Tereza Cristina Corrêa da Costa. (foto: Arquivo)Secretária de Produção e Desenvolvimento Agrário de Mato Grosso do Sul, Tereza Cristina Corrêa da Costa. (foto: Arquivo)

Erradicação - Mato Grosso do Sul busca erradicar a febre aftosa desde 1999, tendo passado por duas situações de contaminação até a obtenção do certificado de área livre com vacinação conferido pela OIE (Organização Mundial de Sanidade Animal) em fevereiro deste ano. A primeira em 2000, e a última em 2005, quando foi detectado o vírus em Eldorado e desencadeou a maior operação de combate à aftosa no Estado, com a interdição de 1.268 propriedades e sacrifício de 34.332.

O Estado havia conquistado em 2001 o status de área livre de febre aftosa com vacinação. Mas o surgimento dos focos em 2005 levou o Estado a desencadear operações para manter o certificado.

Para eliminar todo risco de contaminação, o Governo do Estado confinou quase 1 milhão de cabeças de gado na ZAV, com abrangência sobre 3.536 propriedades em 11 municípios ao longo de 700 quilômetros de fronteira seca com o Paraguai.

Os programas de erradicação da febre aftosa da América do Sul mantêm uma cobertura de 100% do território (17,6 milhões de km2), com uma população animal estimada em mais de 325 milhões de cabeças de bovinos e bubalinos. Desse total, cerca de 88% são reconhecidos OIE como livres da doença. Apenas 11,2% estão em áreas que não são consideradas imunes da doença.

Durante 2010, os países sulamericanos, exceto Equador e Venezuela, não registraram a ocorrência de febre aftosa. No ano passado, os serviços veterinários oficiais atenderam a 1.210 notificações de rebanhos infectados com sintomas de outras doenças vesiculares. A maior parte ─ 650 casos ─ ocorreu na Colômbia, seguida de 313 registros no Brasil, 117 no Equador e 101 no Peru.

No ano passado, na América do Sul, foram disponibilizadas 567,2 milhões de doses de vacina contra febre aftosa para uso nos programas nacionais de erradicação.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions