ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 20º

Educação e Tecnologia

Com indicativo de greve, reitoria do IFMS apresenta proposta a sindicato

Demandas dos servidores são nacionais, mas reitoria negocia para evitar cortes nos salários

Por Gabrielle Tavares | 27/05/2022 15:22
Fachada do câmpus de Aquidauana. (Foto: Arquivo)
Fachada do câmpus de Aquidauana. (Foto: Arquivo)

Reitora do IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul), Elaine Cassiano, apresentou proposta ao Sinasefe-MS (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica) para evitar cortes de ponto e serviços. Os servidores apresentaram indicativo de greve no dia 17 deste mês, mas até o momento, nenhum campus do Estado paralisou as atividades.

As reivindicações foram encaminhadas ao governo Federal, sendo reajuste anual de 22%, reestruturação de carreira para docentes, técnicos e administrativos; definição de data-base; destinação de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) para a educação pública; além de implementação de processos democráticos para escolha de gestores e melhoria das condições de trabalho.

No comunicado da reitora à comunidade acadêmica, Elaine alega que negociações estão sendo realizadas junto ao sindicato desde o dia 6 de maio, apesar das demandas serem nacionais não haverem solicitações que sejam de autonomia do IFMS.

A proposta sugere evitar o corte de ponto fazendo com que os os servidores iniciem a compensação dos dias parados a partir de 13 de junho, data que antecede o fechamento da folha.

De acordo com a reitoria, após o fechamento da folha, não será possível evitar o desconto, considerando o que preconiza a legislação federal e o sistema adotado para controle de frequência e pagamento de servidores.

O prazo para o Sinasefe-MS aderir ou não a proposta é 10 de junho. Em todo o Estado, são cerca de 1.300 servidores, em 11 unidades espalhadas em todas as regiões de Mato Grosso do Sul.

O estado de greve foi aprovado em assembleia do sindicato e teve 151 votos favoráveis, 45 votos contrários e 38 abstenções.

Nos siga no Google Notícias