ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 24º

Educação e Tecnologia

Eleição para diretores da rede estadual acontecerá neste ano, garante Fetems

Presidente da federação também confirma que haverá processo seletivo para professores convocados

Mylena Fraiha | 06/06/2023 18:32
Professores em manifestação contra a Prefeitura em dezembro passado (Foto Kísie Anoiã/Arquivo) 
Professores em manifestação contra a Prefeitura em dezembro passado (Foto Kísie Anoiã/Arquivo)

Eleição direta para diretores e processo seletivo para professores convocados foram confirmados com o governo estadual para este ano, de acordo com o presidente da Fetems (Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul), Jaime Teixeira. O anúncio foi feito nesta terça-feira (6).

De acordo com Jaime, o processo seletivo para convocados será realizado no final deste ano, válido para os anos de 2024 e 2025. O presidente da Fetems afirmou que o edital está em discussão e que não haverá prorrogação da convocação dos aprovados. “O que nós estamos cobrando é para que não seja em cima da hora. Queremos que entre outubro e novembro saia o edital”.

Sobre a eleição para diretores, Jaime afirmou que ela ocorrerá ainda neste ano e em todas as escolas da rede estadual. "Isso não estava acontecendo, mas neste ano será estendido para todos os municípios do Estado no segundo semestre".

Segundo ele, a novidade deste ano é que não será exigida uma prova para se candidatar na eleição de diretores. “Os candidatos interessados em participar da eleição deverão realizar um curso de 40 horas online oferecido pela Secretaria de Educação”, explica o presidente da Fetems.

Jaime apontou que o governo estadual garantiu o retorno do programa Profuncionário, que é voltado para a qualificação continuada dos funcionários administrativos, profissionais técnicos em alimentação escolar, infraestrutura escolar, multimeios didáticos e secretaria escolar. “Esse programa foi criado durante os governos de Lula e Dilma, em parceria com os governos estaduais e municipais. No governo Bolsonaro, o programa foi suspenso, mas retorna agora no segundo semestre".

Presidente da Fetems, Jaime Teixeira, abre votação em assembleia geral no dia 9 de maio (Foto: Mylena Fraiha)
Presidente da Fetems, Jaime Teixeira, abre votação em assembleia geral no dia 9 de maio (Foto: Mylena Fraiha)

Nova reunião - A reunião de negociação entre a Fetems e o Governo do Estado, que estava prevista para quarta-feira (7), foi adiada para o dia 14 de junho devido ao feriado de Corpus Christi.

De acordo com Jaime, durante essa reunião, serão discutidos diversos pontos e, posteriormente, será convocado um conselho de presidentes presencial para apresentar os resultados das negociações que ocorreram ao longo de 30 dias. "Os demais pontos serão definidos durante a negociação do dia 14. Em seguida, convocaremos um conselho de presidentes para apresentar todos os pontos discutidos à mesa”, explica.

Rede municipal - Durante a negociação em nível municipal, o presidente da ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública), Gilvano Bronzoni, apontou que a reunião desta terça-feira (6) com a Prefeitura de Campo Grande terminou sem acordo em relação ao pagamento dos 14,95% de reajuste anual dos professores.

A proposta da prefeitura apresentava o parcelamento dos 14,95% em três vezes, divididos em 5% para outubro deste ano, 5% para janeiro de 2024 e 4,95% para maio, também de 2024.

Entretanto, a categoria não aceitou e devolveu uma contraproposta. De acordo com Gilvano, a categoria apresentou outra proposta, com parcelamento dos 14,95% em três vezes, sendo 5% em julho, 5% em setembro e 4,95% em dezembro de 2023. “A equipe da prefeita apresentou uma proposta, mas queremos que o reajuste fique mais próximo deste ano”, explicou.

A prefeitura recusou a contraproposta, mas afirmou que na quarta-feira (7) irá apresentar uma nova alternativa, com base na contraproposta do sindicato dos professores. “A equipe ouviu nossos argumentos e vai rever a proposta até amanhã”, apontou Gilvano.

Nos siga no Google Notícias