A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


02/03/2016 06:00

Bernal expulsa professor de reunião sobre reajuste salarial

Waldemar Gonçalves

Expulso – O clima esquentou em reunião entre o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), e representantes dos professores da Reme (Rede Municipal de Educação), no fim da tarde de segunda-feira (29), para discutir reajuste salarial. Segundo alguns participantes, em certo momento, o prefeito subiu o tom de voz e expulsou da sala um professor ligado ao PPS, partido de sua maior aliada na Câmara Municipal, Luiza Ribeiro.

Controlem-se – A reação de Bernal teria ocorrido quando foi contestado sobre a alegação de que a Prefeitura não tem como pagar 13% à categoria, referente ao reajuste previsto em lei em 2015 – o percentual este ano é de 11,36%, também reivindicado pelos professores. O prefeito chegou a falar para o presidente da ACP, o sindicato dos professores, Lucílio Nobre, que controlasse melhor sua base.

Tapa na mesa – Ontem, o prefeito chegou a comentar que teve alteração de tom voz na reunião, mas tudo com “o propósito de buscar o melhor para Campo Grande”. Pessoas que participaram do encontro relataram que houve tapa na mesa e falta de respeito por parte de Bernal com os representantes dos professores. O prefeito disse ontem de manhã que os professores não vão ter privilégio em relação a outros servidores. De prático, até agora, nenhuma proposta coloca publicamente à categoria.

Agradecido – Diferente dos ataques passados que surgiram principalmente após as eleições do ano passado, o deputado estadual Marcos Trad preferiu agradecer ao seu antigo partido, o PMDB, pela oportunidade e disse que sai de "cabeça erguida, com a sensação de dever cumprido". O parlamentar disse que já conversa com outros partidos para eventuais alianças políticas, reforçando que pretende ser candidato a prefeito de Campo Grande.

Se explicando – Marquinhos ainda revelou que tentou reunião com o ex-governador André Puccinelli, principal liderança peemedebista em Mato Grosso do Sul, para explicar os motivos da saída, mas até o momento não recebeu resposta. "Já falei com alguns colegas e estou esperando ele marcar". Os dois nunca tiveram um bom relacionamento dentro do PMDB.

Sem holofotes - Em solenidade no Instituto Mirim de Campo Grande, ontem, Bernal agradeceu o empenho da primeira-dama, Miriam Bernal, no trabalho à frente da instituição, que atende cerca de 1 mil jovens com formação para ingressar no mercado de trabalho e até preparação para o Enem. Disse que, com seu jeito “simples, humilde, que não gosta de holofotes”, Miriam faz o seu trabalho para ver o resultado acontecer.

Não governar – Ex-primeira-dama de Campo Grande, a deputada estadual Antonieta Amorim (PMDB) aproveitou a deixa de Bernal para criticá-lo durante a sessão de ontem na Assembleia Legislativa. Afirmou que é hipocrisia “não governar”, mandar embora diretoras de escola sem a devida justificativa e respeito por elas, assim como a falta de planejamento da sua gestão. "Viramos a Capital das crateras", emendou a peemedebista.

Insatisfeito – O deputado estadual Felipe Orro (PDT), pré-candidato a prefeito de Campo Grande, diz que não ficou satisfeito com a decisão da executiva estadual de cancelar as eleições nos diretórios municipais do partido, previstas para o mês de março. Para ele, não se tratou de uma ação democrática. Questionado se pode trocar de partido durante a janela de transferência, que está aberta, não descartou a possibilidade.

Decisão conjunta – George Takimoto (PDT), que faz parte da executiva estadual, explicou que o objetivo desta decisão é evitar disputas e até "rachas" nos municípios em função de ano eleitoral, estabelecendo diretórios provisórios, que por consenso vão definir o comando. Ainda ressaltou que, para eleição a prefeito em Campo Grande, restará a Felipe Orro e Dagoberto Nogueira decidirem, juntos, quem será o candidato.

Coisa de novela – O deputado José Carlos Barbosa (PSB) não gostou de uma cena da novela "A Regra do Jogo", em que a personagem de GiovannaAntonelli (Atena), cita a cidade de Corumbá, como uma alternativa de contrabando de armas, dizendo que conhecia o "esquema na cidade". Para o parlamentar, a cena global, além de denegrir o nome do município, prejudica o turismo.

(com a redação)

Reinaldo apoia crescimento dos evangélicos
Decisão divina - Palestrante principal do Fórum Evangélico realizado nesta segunda-feira em Campo Grande, a cantora e pastora Damares Alves disse que...
2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions